terça-feira, dezembro 19, 2006

Tradições de Natal

Muito embora este blog tenho como objectivo a divulgação de trajes populares portugueses, parece-me poder abrir uma excepção para falar de algumas tradições natalícias muito enraizadas em Portugal, aproveitando para desejar a desejar a todos os visitantes um
Feliz e Santo Natal

Presépio

Na origem deste costume encontram-se as esculturas e quadros que enfeitam o templos para doutrinar fieis analfabetos e as representações teatrais semilitúrgicas que se representavam durante a missa de natal. Mas a tradição gerou-se no século XIII quando São Francisco de Assis quis celebrar o natal o mais realista possível, e com a permissão papal instalou um presépio de palha dentro de uma cova, pôs a imagem do menino Jesus um boi e um burro vivos perto dela. E nesse cenário celebrou-se em 1223 a missa de natal. O sucesso desta humilde representação do presépio foi tal que rapidamente se estendeu por toda a Itália. Logo se introduziu nas casas nobres europeias e de lá foi descendo até ás classes mais pobres. Na Espanha, a tradição chegou pela mão do monarca Carlos III, que a importou de Nápoles no século XVIII. A sua popularidade nos lares espanhóis, portugueses e latino americanos estendeu-se ao longo do século XIX e a França não o fez até inícios do século XX.

Missa do galo

Assim se conhece a missa que se celebra na noite de natal. A sua denominação provêm de uma fábula que afirma que foi este animal o primeiro a presenciar o nascimento de Jesus, ficando encarregado de anunciá-lo ao mundo. Até ao começo de século XX era costume que á meia-noite fosse anunciado dentro do templo por um cante de galo, real ou simulado. Esta missa apareceu no século V e a partir da idade média transformou-se em celebração jubilosa longe do carácter solene com que hoje a conhecemos. Até princípios do século XX perdurou o costume de reservar aos pastores congregados ali o privilégio de serem os primeiros a adorar o menino Jesus. Durante a adoração, as mulheres depositavam doces caseiros, que logo trocavam por pão bento, ou seja pão de natal. Era também costume reservar um bocado deste pão como amuleto ao qual só se podia recorrer em caso de doença grave. Outra tradição que perdurou é a de estriar nessa noite uma peça de roupa com a qual se afastava o demónio. Em algumas regiões esta missa celebra-se durante as primeiras horas do dia.
Na maioria dos países é tradição que toda a família acuda a ela unida sendo o momento mais importante das festas natalícias.

3 comentários:

Ana disse...

Parabéns pelo seu blog!

Jorge disse...

Estou a compilar textos sobre Natal, com vista a publicação. Gostaria que me autorizasse a utilizar os seus. Pode contactar-me para jorgegalveias@iol.pt
Cumprimentos

Anónimo disse...

mt obrigado!!!