terça-feira, outubro 03, 2017

Colóquio “Memórias do Povo"


No próximo dia 8 de Outubro vai decorrer o Colóquio “Memórias do Povo”, subordinado ao tema "Trajes de Antanho", organizado pelo Grupo Cultural de Vila Fria, que decorrerá na sede desta associação, sita na Rua Carlos Paião, nº 23, em Vila Fria (Oeiras).

Programa

15:00h – Sessão de Abertura

15:30h – Inicio dos trabalhos (3 oradores)

16:30h – Intervalo

16:45h – Inicio dos trabalhos (2 oradores)

17:30h – Debate

18:00h – Sessão de Encerramento

 

Serão oradores convidados:

Carlos Cardoso – Rancho Folclórico Os Rancheiros de Vila Fria

Carlos Santana – Rancho Folclórico da Golegã

José Brito – Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega

Ricardo Gomes – Rancho Folclórico de Geraldes

Virgílio Reis – Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage

Mediador:

Joaquim Pinto – Presidente da Associação do Distrito de Lisboa para a Defesa da Cultura Tradicional Portuguesa

 

Inscrições e informações através do mail: grupoculturaldevilafria@gmail.com





quarta-feira, julho 12, 2017

Desfile do Traje Popular Português


A Federação de Folclore Português anunciou que o XXII Desfile do Trajo Popular Português decorrerá no dia 16 de Setembro em Abrantes



quinta-feira, março 23, 2017

Costumes do Minho

Fonte: Centro Português de Fotografia


Ancora - Banheira

Ancora - Moça de lavoura

Meadela - Camponesa

Perre - Moço da lavoura

Viana - Mulher de mantilha

Âncora - Camponesa

quinta-feira, março 09, 2017

CHAPÉU CORDOVÊS


Quando analisamos fotografias do inicio do sec.XX, sobretudo referentes às regiões do Ribatejo e Alentejo, surge de vez em quando um chapéu masculino diferente dos demais.

Distingue-se pela forma cónica, alta e plana da copa, já que, normalmente, esta é circular e côncava, não excedendo não excedendo os 10 cm.

Este é conhecido como Chapéus Cordovês.

Cordovês por ser originário da cidade de Córdoba, em Espanha, onde ainda hoje é fabricado.

Diz-se, que começou a ser usado pelas pessoas que realizaram o trabalho de jornaleiro. Já que no campo estavam expostos tanto ao sol como à chuva e precisavam de um chapéu mais resistente que o de palha. Sem dúvida a ideia era clara, precisavam de um chapéu mais rígido, e não se deformasse com o tempo.

As características deste chapéu popular são: fabricado em feltro, aba larga e plana, e uma copa alta ligeiramente cónica e geralmente pretos.

Este chapéu tornou-se popular em Espanha por influência de vários Cordoveses, nomeadamente ligados à tauromaquia como o rejoneador Antonio Cañero (1885-1952) e o toureiro Manolete (1917-1947), ambos muito conhecidos e aplaudidos em Portugal.

É talvez por esta via que podemos explicar o seu surgimento em Portugal e disseminação por regiões com maiores tradições taurinas.

Por ser um produto de importação (não fabricado localmente) seria naturalmente mais caro que os comuns, dai a sua utilização sobretudo com trajes de festa/domingueiros, motivo também pelo qual não se verificou uma ampla propagação entre os homens destas regiões, sendo assim uma peça que apenas alguns poderiam comprar e usar.

São vários os exemplos a tive acesso, nomeadamente na Glória do Ribatejo (Rancho Folclórico da Casa do Povo de Glória do Ribatejo) ou Serpa, onde o Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de São Bento desde sempre se apresentou com eles.
Chapéus Cordovês



Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de São Bento - Casa do Alentejo-1950

Manolete (1917-1947)


Antonio Cañero (1885-1952)

Sarau na Casa do Alentejo - Lisboa - 1937