sábado, dezembro 29, 2007

sexta-feira, dezembro 28, 2007

Bordados de Tibaldinho - Mangualde - Viseu

No distrito de Viseu, concelho de Mangualde, na freguesia de Alcafache, situa-se um pequeno povoado que chegou até aos nossos dias, ainda com ruas empedradas e casas tradicionalmente construídas de beleza invejável. É aqui que podemos encontrar a arte dos Bordados de Tibaldinho.
É difícil definir uma datação precisa para a implementação desta manufactura da arte de bordar nesta região, devido à escassa documentação existente sobre o assunto. No entanto, a investigadora Madalena Braz Teixeira aponta as suas origens para um momento histórico em que a família real e toda a aristocracia da época que a acompanhava regressou a Portugal. Ora, esta aristocracia, para além de possuir um grande número de solares nesta região, também era detentora de colecções invejáveis de bragais. O uso, o desgaste e a necessidade de renovação certamente foram os principais motivos que levaram estes nobres a contratarem bordadoras para efectuarem a renovação e substituição das peças.
«O regresso da família real das terras brasileiras (1819) e da aristocracia que acompanhara o rei a essas paragens longínquas, vem a realizar-se durante a década de 20.
Ocasião propícia à beneficiação dos solares deixados vazios através dos proventos da renda brasileira que continuava a chegar. O caso bem conhecido, da Casa da Ínsua, vem trazer fulgor a Penalva do Castelo. O que ocorre também em Mangualde e noutras mansões ao redor que são rejuvenescidas, nas residências burguesas dos seus endinheirados proprietários.
Não admira, portanto, que a decoração interior da própria habitação tenha ocorrido também através da renovação do bragal e das roupas de casa. Tornava-se urgente refazer o enxoval e constituir um novo património têxtil. As condições histórico – culturais são explícitas pelo que o aparecimento e/ou o desenvolvimento de uma manufactura de bordados está justificada à partida pela encomenda que seguramente as famílias recém – chegadas do Brasil fizeram, imitadas por outros parentes e amigos que não tinham deixado os seus lares.»
Os Bordados de Tibaldinho são singelos e harmoniosos e têm uma característica muito própria relativamente à policromia: são predominantemente brancos. Este aspecto está certamente ligado ao facto destas peças tratarem de roupa de casa, onde o branco é ligado à limpeza, higiene e dignidade, para além da mentalidade burguesa moralizadora da época, que associa o branco à pureza, honestidade e virtude.
Muitas vezes existe uma grande dificuldade em romper com domínios estilísticos há muito instalados, pelo que foi extremamente difícil ao novo léxico ornamental romântico chegar e difundir-se, principalmente na Beira Alta, como o caso de Alcafache. Por estas razões talvez, a policromia dos Bordados de Tibaldinho se tenha mantido fiel ao branco, símbolo da alvura.
A autora Madalena Braz Teixeira considera ainda, que as origens dos bordados se situam muito ao nível do gosto neo – clássico. No entanto estes bordados não são apenas de origem erudita. O carácter popular e cunho pessoal estam sempre presentes. Os próprios desenhos levam-nos a assistir a temas baseados no “AMOR”, aliás como em outros bordados, como o caso dos de Viana e dos Lenços de Namorado. Os enleios espiralados que prendem os crivos como filtros e os espinhos que ferem, são uma constante presença na simbologia destes trabalhos. No aspecto geral, os bordados de Tibaldinho têm traços comuns com os bordados de Guimarães (séries de ilhós consecutivos e semelhantes, ilhós com sombras e pequenos crivos, as estrelas e flores).
Os bordados de Tibaldinho, embora tenham como centro de difusão a aldeia de Tibaldinho, não se circunscrevem apenas a este povoado, mas são também realizados em outras aldeias vizinhas de Alcafache, Fornos de Maceira, S.João de Lourosa e Dão. As bordadeiras geralmente trabalham ao ar livre, sentadas, devido à falta de espaço do interior das casas e pela luz natural ser mais adequada.
Mas foi na festa anual de S. Mateus realizada na cidade de Viseu, que por volta de 1940 os Bordados de Tibaldinho tiveram grande impulso com uma exposição organizada pelo Dr. Sacadura Botte. A exposição nesta feira permitiu não só uma maior divulgação dos bordados como também maior apreço pelos mesmos. Posteriormente, em 1961, o Pároco de Alcafache, Padre
Manuel Messias, teve também importância na divulgação dos bordados, colaborando na organização da exposição de artesanato em Viseu.
Nos nossos dias, as bordadeiras passaram a ter esta actividade com o objectivo de aumentar as suas próprias economias domésticas. As bordadeiras de Tibaldinho controlam, elas mesmo, todo o processo de escoamento do produto.
A proximidade das termas de Alcafache e a existência do caminho-de-ferro facultam o escoamento do produto até aos grandes centros. No entanto, e principalmente a partir dos anos 60, as flutuações próprias do mercado, o aparecimento de novos materiais e as modas foram alguns dos obstáculos que esta arte manual de Tibaldinho teve de enfrentar, mas conseguiu ultrapassar.
Na década de 80 o “bordado de lã”, designação local do bordado de Arraiolos, foi divulgado e, pelo facto de ser mais rentável, aliciou as bordadeiras da zona e fê-las esquecer um pouco os Bordados de Tibaldinho. Logo a seguir, Azevedo e Silva deu conta do cenário de abandono dos bordados e procedeu à recolha de pontos e técnicas dos bordados tradicionais.
Costumamos dizer que logo a seguir a uma fatalidade vem a bonança. Foi o que aconteceu neste caso, um grupo de mulheres apostaram no valor patrimonial destes bordados tradicionais e fundaram “O Borboto”.
Estes bordados ornamentam toalhas, roupa de cama, aventais e todo o género de paninhos destinado à decoração do lar.
Referência Bibliográfica:
Paulo Fernando Teles de Lemos Silva, Bordados tradicionais portugueses, Dissertação de Mestrado em Design e Marketing - Área de Especialização em Têxtil, Universidade do Minho, 2006
Madalena Braz Teixeira, O Bordado de Tibaldinho, ed. CM de Mangualde-IPM, Lisboa, 1998
Artigos relacionados:
Bordado de Filé - Bordados de Viana do Castelo - Bordados de Castelo Branco - Bordados de Nisa

sexta-feira, dezembro 21, 2007

quinta-feira, dezembro 20, 2007

O NATAL NO ALGARVE

O Natal tem muitas tradições em Portugal. Muitas delas foram introduzidas a partir do sec. XIX, outras têm origens mais remotas. Em contraponto, ao Pai Natal, a tradição portuguesa está intimamente relacionado com o Presépio e o Culto ao Menino Jesus. Existem em diversas regiões, reminiscências de tradições anteriores ao presépio criado por S. Francisco de Assis. A tradição do presépio medieval em escadaria e com o Menino no trono, típica do Algarve, mas que também se pode encontrar na Ilha da Madeira, a chamada lapinha, construída com três ou mais passadas (degraus) e ornamentada com frutas e searinhas. Nos Açores, o presépio com o Menino em pé denomina-se altarinho, com searinhas a ornamentá-lo e, nas paredes da sala, ramos de laranjeira com laranjas. Mas também pode ser encontrado no Brasil e em quase todas as nações da América Central e do Sul.
De seguida, descrevo a tradição algarvia com base na obra do Pe. José da Cunha Duarte, Natal no Algarve: raízes medievais.
No século XIX, no barrocal algarvio, nove dias antes do Natal, preparava-se a casa para armar o presépio ou armar o Menino,
Revestia-se uma cómoda com uma toalha branca e com larga renda pendente. Em cima, colocava-se um pequeno trono em escadaria, que imitava o altar-mor da igreja. À medida que se elevava, os degraus eram mais estreitos. Outras vezes, colocavam-se as medidas de cereal, em escadaria, para se formar o trono. Este era coberto com um lençol ou toalhas de linho, com uma dobra de lençol de lindas rendas, com panos bordados pela dona da casa ou pelas filhas solteiras, onde abundavam motivos de cor azul e encarnada.
Construído o trono, começava-se por ornar o Menino. As searinhas, germinadas dentro de chávenas ou pires pequenos, eram colocadas, no trono, com arte.
O trono era ladeado de jarras com verdura, onde sobressaía a murta, o loureiro, o alecrim, a aroeira e a nespereira. Nas paredes da sala, onde estava armado o Menino, colocavam-se também ramos de laranjeira, com laranjas, de loureiro ou ainda de nespereira. Outras famílias faziam um arco de verdura, à frente do trono.
Finalmente, colocava-se o Menino. O vestidinho fora já cuidadosamente lavado e passado a ferro. Outras vezes, vestia-se o Menino de novo. Este era o encanto das crianças, que não se cansavam de olhar para Ele, apesar do seu aspecto não invocar grande piedade, pois fora feito por um vulgar artesão. A mãe preparava uma lamparina (copo com azeite e pavio com fios de linho) e colocava-a em cima de um pratinho, à frente do Menino.
Uma característica, muito peculiar do Barrocal, é ornamentar o trono com laranjas. Ao lado do presépio colocam-se também cachos de laranjas dependurados na parede. Na zona marítima de Olhão, nas primeiras décadas do século XX, as searinhas estavam dentro das latas de conserva de sardinha.
A presença das searinhas no presépio é compreendida pelo povo como uma bênção. São colocadas para o Menino “as abençoar” e para “dar muito pão às sementeiras”. Depois das festas, havia também o costume de colocar as searinhas no campo para crescerem porque estavam abençoadas. Mais tarde, o trigo recolhido era para mezinhas caseiras.
As imagens do Menino Jesus devem-se essencialmente aos pinta-santos ou faz-santos algarvios que surgiram no século XIX. Estes procuraram reproduzir as imagens dos imaginários, sobretudo o Menino Jesus e Jesus crucificado que, no Algarve, se chama Pai do Céu. A maioria das famílias algarvias, da zona do Barrocal e da Serra, no Sotavento, tinham em casa uma destas imagens. Era costume os pais oferecerem aos filhos, como prenda de casamento, a imagem do Menino Jesus e/ou do Pai do Céu, para ser colocada na casa de fora do novo lar. Na orla marítima, encontra-se a mesma tradição, sobretudo nos concelhos de Castro Marim e Tavira.

segunda-feira, dezembro 17, 2007

Revisitar os Trajes Regionais de Portugal

Esta é uma notícia que já não é nova, mas como há sempre alguém que não sabe pareceu-me importante divulgar.

O Clube do Coleccionador dos Correios lançou o livro - “Trajes Regionais, Gosto Popular, Cores e Formas” – assente na investigação da autora, Cristina L. Duarte, acerca da imensa variedade e riqueza de formas, cores e ornamentos dos trajes regionais portugueses.

Está à venda na Estações dos Correios ou pela net, custa 40€, e vem acompanhado da colecção de selos sobre o mesmo tema.

Pode ficar a saber mais em:
http://www.inteirospostais.com/revisitarostrajesregionaisdeportugal.pdf

Eis uma boa sugestão para uma prenda de Natal.

terça-feira, dezembro 11, 2007

Trajos Domingueiros Saloios – Estremadura


Aos domingos e dias de festa o povo gostava de se aperaltar com o que de melhor tinha, que não era muito, pelo que se reservava para esses dias um fatito melhor, que logo de seguida era cuidadosamente limpo e guardado, para que se não estragasse, pois só havia esse e pouco dinheiro para comprar ou fazer outro.

O trajo domingueiro masculino era composto por camisa branca em popeline, com peitilho em piquet, de manga comprida com punho, colete de fazenda preto sem bandas (as costas eram de fazenda aos quadrados de cor garrida), calça preta de cós alto com fivelas atrás, à boca-de-sino justa à bota e cinta preta. Jaqueta em fazenda preta com gola em veludo e alamares. Calçava botas de calfe preto. Usava barrete ou chapéu preto. Fazia-se acompanhar de um pau, “não fosse o diabo tece-las …”.
A rapariga veste casaquinha com gola de gargantilha, abotoada à frente com botões e machos atrás, manga comprida com punhos pretos. Saia comprida de armur sobre o saiote e os colotes de pano branco decorado com rendas. Calça meias de algodão e sapatos de atanado com atacadores. Na cabeça, lenço de cachené.

Os morgados eram pessoas de bens, abastados, viviam das terras que possuíam ou que arrendavam, portanto, podiam vestir um pouco melhor e exibir melhores adornos.
A mulher usava um lenço branco de seda lavrada na cabeça, casaco preto em seda lavrada de gola e bandas, com machos atrás e punhos de veludo, a saia era comprida do mesmo tecido. Blusa de seda branca, com folhos no peito e punhos rendados.
Como roupa interior, vestia saiote e colotes brancos com renda. Calça meias brancas de algodão e sapatos pretos de calfe.
Transporta bolsa de veludo preto, para guardar alguns valores e xaile preto de merino franjado, para se proteger do frio.
O homem, veste calças de fazenda de fantasia, à boca-de-sino, colete de astracã preto, jaqueta do mesmo material, com gola de veludo preto e alamares de seda. Camisa branca em popline com peitilho em nervuras. Ajusta a cintura com cinta de merino preta e na cabeça, chapéu preto de aba larga. Calça botas de cabedal preto.
Usa relógio de bolso, com corrente de prata.

Site recomendado:
Rancho das Lavadeiras do Sabugo
Artigos relacionados: Região Saloia

sexta-feira, dezembro 07, 2007

Bordados de Filé - Felgueiras - Douro Litoral

É bastante difícil determinar com exactidão a data e as origens dos Bordados de Filé. Há quem diga que é tão antigo como o homem. O “filé” pode ser distinguido entre o “filé” simples e o “filé” bordado. O “filé” simples é uma simples rede constituída por nós, pelo que também é chamada de rede de nó e executa-se da mesma maneira que a rede dos pescadores, que aliás muitas pessoas afirmam que lhe serviu de modelo. Já na antiguidade os egípcios bordavam “filé” simples com pérolas de vidro. Podemos encontrar nos nossos dias, na ala Egípcia do Museu Louvre, trabalhos desta época e com esta técnica.
O “filé” foi bordado ainda noutras partes do globo, por exemplo na Pérsia onde este era bordado a ouro e prata sobre tecidos de seda.
Em Itália foram também encontrados bordados de “filé” no espólio de Dª Catarina de Médicis que tinha grande apreço por este tipo de bordados, assim como no de suas filhas e de suas criadas que passavam grande parte dos dias dedicada ao bordado de quadros em “filé”.
Foram descobertos no seu espólio cerca de 381 quadros deste num cofre e 538 noutro. Quando falamos dos bordados na freguesia de Pombeiro e que podemos apreciar ao longo da estrada nacional que liga Felgueiras a Guimarães, estamo-nos a referir ao “filé” bordado que utiliza o “filé” simples como suporte a um bordado a fio de linho, de algodão ou de seda, em que certos quadrados da rede são tapados de acordo com o desenho que se escolheu.
Em Felgueiras pensa-se que tudo teve origem em trabalhos bordados com cerca de duzentos anos que pertenciam ao Mosteiro de Pombeiro. Alguns destes panos serviam como decoração aos altares.
Na região, actualmente existem poucas bordadeiras do “filé”.
Antigamente chegaram a existir cerca de setenta a oitenta bordadeiras, mas ao longo dos tempos vários factores condicionaram esta arte em vias de extinção. As fábricas de calçado absorveram quase toda a mão-de-obra da região, e o trabalho mal pago das bordadeiras ajudaram ao abandono das pessoas nesta arte.
A bordadeira começava a aprender ainda menina, com oito ou nove anos. Primeiro, só dois tipos de pontos, e só depois, todos os outros.
Antigamente os trabalhos eram expostos ao longo da estrada, e vendiam-se muito bem mas, nos dias de hoje, o “filé” tem tendência a terminar. Não existe nenhum incentivo para salvaguardar estes bordados nem por parte do governo nem da Câmara Municipal o que leva muitas mulheres a deixar de bordar.
Actualmente utilizam-se debuxos de trabalhos antigos, mas vão sendo introduzidos novos desenhos.
Actualmente são efectuados trabalhos de todo o género, cortinas, toalhas de mesa, colchas, rendas para lençóis e até roupas, no entanto, os trabalhos mais executados antigamente eram de facto as rendas para os lençóis e travesseiros e as rendas para os aventais, punhos e palas para as criadas dos senhores das casas mais abastadas.

TÉCNICA DOS BORDADOS DE FILÉ
Os Bordados de Filé não são como os outros bordados. Nos outros bordados as riscadeiras riscam o desenho e depois as bordadeiras bordam, mas no Bordado de Filé, a bordadeira tem como base do trabalho, uma rede. Essa rede é parecida com a rede de pescador, mas é feita com fio de algodão. As redes são feitas geralmente com fio cru ou de cor branca, dependendo dos trabalhos, mas em casos específicos podem ter outras cores. Esta rede tem de ter o tamanho do trabalho que se pretende realizar, e é feita com pequenos quadrados que variam também em conformidade com o trabalho pretendido. Por exemplo (três quadrados ao centímetro) ou (um quadrado ao centímetro). A espessura do fio de algodão também conta para os diferentes tipos de trabalho em “filé”.
Um trabalho bordado em “filé” pode incluir vários pontos, mas os pontos mais utilizados são o cerejido, o ponto a cheio, o ponto russo, o ponto de neve, o ponto formiga, o ponto de cruz, o ponto de estrelas, o ponto lérias, o ponto de argola, o ponto de olho de rola, e vários pontos de fantasia.
As redes dos trabalhos são presas com pequenas taxas em bastidores de madeira no tamanho da peça a realizar onde são bordadas e posteriormente retiradas.
Os Bordados de Filé geralmente utilizam um ponto de cercadura chamado de remate, que evita o remate de outra forma, sendo necessário apenas no final do trabalho, cortar com uma tesoura alguns fios que prendiam a rede ao bastidor.
Referência Bibliográfica:
Paulo Fernando Teles de Lemos Silva, Bordados tradicionais portugueses, Dissertação de Mestrado em Design e Marketing - Área de Especialização em Têxtil, Universidade do Minho, 2006

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Miranda do Douro - Trás-os-Montes

O filme que se segue é um excerto de documentário sobre o trajo Mirandês, através de um dos últimos alfaiates tradicionais de Trás-os-Montes.
Chamo especial atenção para o primeiro traje apresentado, uma "Capa de Honra", já descrita neste blog, mas que aqui podem observar com maior pormenor. Também as explicações do Senhor Aureliano Ribeiro são muito boas.

video

Artigos relacionados: Trás-os-Montes e Capa de Honra

terça-feira, novembro 27, 2007

Cante alentejano - Cuba - Alentejo

Uma das mais emblemáticas modas do cante alentejano - género musical característico do Baixo Alentejo - aqui cantada pelos Ceifeiros de Cuba, na Taberna do Lucas, em Cuba.

video

Artigos relacionados: Alentejo

Trajos de Trabalho Saloios – Estremadura

Os trajes que vos vou apresentar são cópias fiéis dos usados pelos nossos antepassados nos fins do séc. XIX até aos anos 20 / 30 do séc. XX na Região Saloia.
Estes são apresentados pelo
Rancho das Lavadeiras do Sabugo, o mais antigo representante das danças e cantares das Lavadeiras e Carroceiros do Concelho de Sintra.


Traje de trabalho de lavadeira
Já apresentei neste blog o traje de lavadeira quando se dirigia a Lisboa para receber e entregar roupa ás freguesas.
Este que agora vos descrevo era usado no trabalho, quando lavava a roupa nas ribeiras ou nos tanques da aldeia, assim, a mulher vestia blusa florida de chita com gola de gargantilha, abotoada na frente e manga comprida com punho.
Saia comprida de fazenda aos quadrados e avental de riscado. Por baixo, saiote e colotes de pano branco decorados com rendas, protegidos pelo saiote de riscadinho escuro.
Calça meias de algodão de cor escura e sapatos de cabedal grosso com cordão.
Na cabeça, lenço de cachené com motivos florais.
Transporta os seus objectos de trabalho, a joelheira e a malha para bater a roupa, feitas em madeira, e a trouxa de roupa em serapilheira.

Traje de Leiteira
Este traje não difere muito do anterior, apenas varia a função da mulher, desta feita, vende o leite da sua produção agro-pecuária. Acrescenta a algibeira presa à cintura para transportar o dinheiro da venda.


Traje de camponês
Este é o trajo de trabalho do homem, que também adaptava de acordo com as tarefas. Habitualmente, vestia calças e colete de cotim, camisola de riscado de manga comprida, camisola interior escura de manga comprida.
Barrete preto saloio na cabeça para protecção do sol e do frio. Cinta preta enrolada em torno da cintura. Calça bota grossa de cabedal.
No bolso, usa o lenço tabaqueiro (vermelho) para limpar o suor ou transportar o tabaco.
Em determinados trabalhos, nomeadamente para cavar, enrolava nas pernas plainitos de serapilheira para sua protecção.

Artigos relacionados:
Região Saloia

sábado, novembro 17, 2007

segunda-feira, novembro 12, 2007

Trajo de Sega ou Ceifa – Refugio – Beira Baixa

Sendo trajes de trabalho estão adaptados às tarefas a que se destinam, práticos, simples e confortáveis.
O trajo masculino é composto por camisa de riscado, com cós e peitilho aberto sobre o peito, manga comprida arregaçada. Calça de cotim azul-escuro e ceroulas de riscado azul-claro, ajustadas nos tornozelos com nastros. Na cabeça, lenço tabaqueiro de algodão vermelho, com pontas laterais sobre as abas do chapéu de feltro preto. Botas de bezerro. Transporta uma manta de retalhos e uma foice.
O traje feminino é constituído por blusa de algodão estampada, gola de bico, ajustada na frente com botões, manga comprida com punho.
Saiote de lã vermelho, debruado com fita preta, resguardado na frente por amplo avental de riscado, com bolso de chapa e refegos na orla. Algibeira de tecido estampado e chave suspensa na cintura. Calça meias de algodão e sapatos de ourelo.
Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados: Beira-Baixa

quinta-feira, novembro 08, 2007

O bordado de Viana do Castelo - Minho

A origem dos bordados de Viana do Castelo está intimamente ligada aos trabalhos realizados em trajes da região: “ O Traje à Vianesa “ ou “ Traje à Lavradeira”.
Nos nossos dias podemos encontrar muitos e variados trabalhos com bordados de Viana, como atoalhados, sacos de pão, panos de mesa e cómoda, chinelas, etc., no entanto, todos os motivos bordados tiveram origem nos trajes regionais que foram posteriormente transpostos para estes trabalhos.
O traje à lavradeira foi totalmente criado pelas camponesas de algumas freguesias próximas de Viana do Castelo, foram elas que o riscaram, teceram, trabalharam e bordaram.
Os trajes todos decorados com os bordados feitos por estas mulheres do campo, e que diferem de freguesia para freguesia, são usados em dias de festas ou feiras.
Dentro destes bordados podemos distinguir uns mais ricos do que outros, dependendo da classe social a que se referem.
Os mais ricos utilizam algodão “perlé”, por vezes, recamados de lantejoulas, missangas e vidrilhos.
Os bordados de algodão e de lã são muito antigos. Sempre foram utilizados nos trajes das mulheres do campo, nas saias, nas ombreiras, punhos, colarete das camisas, algibeiras e coletes. Estes bordados sempre foram executados com linhas de meia de algodão branco sobre tecido vermelho e, por isso, considerados “pobres”.
“ Os forros “ das saias dos trajes das mulheres são bordados com desenhos de várias silvas.
O traje destas mulheres é também composto por uma camisa que é rente ao pescoço e cobre o corpo todo até ao meio da canela. Esta camisa, tecida no melhor linho branco e puro pelas próprias camponesas, é composta por uma “ fralda” (parte postiça da camisa que da cintura para baixo é de pano diferente). Os ombros e os colarinhos são bordados geralmente com linhas de cor de faiança. As saias são decoradas na parte inferior com tiras de pano que têm uma cor que se identifica com a aldeia da camponesa. Muitas vezes estes “forros” são ainda decorados com uma silva bordada a branco. As saias antigamente não apresentavam nenhum bordado. Só muito mais tarde, a partir da Segunda Guerra Mundial, é que se encontram saias com forros bordados, primeiro com uma silva e depois com duas.
As chinelas de verniz preto que constituem um bonito acessório dos trajes são bordadas com um raminho em algodão.
Além do traje à lavradeira, há ainda, nas freguesias mencionadas, o traje de noiva ou de mordoma, no qual se concentra todo o luxo ornamental.
São as próprias bordadeiras que bordam a sua roupa. Fazem-no, geralmente de improviso, com toda a espontaneidade, inspirando-se na flora e na fauna e quase sempre, no sentimento de amor. O amor parece estar presente em cada ponto do bordado e inspirou grande parte dos motivos e dos símbolos mais característicos dos bordados de Viana.
Os bordados de Viana do Castelo utilizam materiais da própria região e inspiram os seus desenhos na flora e na fauna, pelo que, podem ser considerados um dos bordados tradicionais mais belos e originais do norte de Portugal. As bordadeiras conseguiram transportar para os seus bordados todo o sentimento que lhes vai na alma.

Técnica do bordado de Viana do Castelo
Na região de Viana de Castelo são fabricadas duas espécies de linho; um linho que é urdido com fio de algodão (teia) e tapado com fio de linho (trama) e outro que é um pouco mais fino que é urdido e tapado somente com linho.
A base para estes bordados é sempre um linho grosso caseiro, embora ultimamente as pessoas tendam a substitui-lo por tecidos mais finos.
As linhas de algodão são utilizadas nos bordados de algodão e as mais usadas são as de algodão “perlé”, vulgarmente chamadas linhas de algodão de lustro, pelo seu brilho e solidez de cor.
As cores mais utilizadas são o branco, o vermelho e o azul.
Os bordados de lã utilizam lãs compradas. As bordadeiras por vezes usam determinadas nomenclaturas que se prendem com hábitos muito antigos, por exemplo, chamam lãs de Perre às lãs que vêm do Porto, por originariamente serem utilizadas pelas bordadeiras de Perre. As bordadeiras de Cardielos também chamam frequentemente às lãs compradas, lãs de fora.
Outro material muito utilizado é um cordão de fios dourados que serve para contornar os desenhos e, portanto, dar-lhes mais realce. Nos bordados mais recentes, o fio metálico do cordão que se chama “palhete” ou “treno” (por inicialmente ser constituído por três fios), quase desapareceu, podendo encontrar-se em seu lugar um fio branco.
Antes de começar é necessário todo um trabalho de preparação para realizar este tipo de bordados.
Em primeiro lugar, é necessário estilizar num papel os desenhos que se pretendem bordar, ao que podemos chamar molde do desenho. Em seguida, a bordadeira prende cuidadosamente o molde ao pano que vai servir de suporte e vai picando miudamente com uma agulha fina, aplicando depois por cima com uma boneca de pó de carvão bem fino, no caso do estofo ser branco ou claro; giz e pó com pós de goma se forem de cor escuros. A seguir levanta-se o molde com todo o cuidado para evitar que se desmanchem as formas.
Nas cores escuras deve cobrir-se os desenhos marcados com um pincel envolvido em goma-arábica e alvaiade e nas cores claras, um pincel molhado em tinta nankim.
Apesar desta técnica, existem muitos casos de bordadeiras que desenham directamente sobre o tecido, reproduzindo à vista os motivos.
Muito recentemente, as bordadeiras empregam técnicas menos trabalhosas como o decalque com papel químico.
A operação seguinte consta em contornar os desenhos do bordado a cheio em cor diferente com um ponto cordão, ligando os principais desenhos entre si por ramos, caracóis, silvas e ângulos.
Os bordados com fio de algodão utilizam os pontos abertos, de cadeia, caseados, cheio, cordão, crivo, cruz, engradeado, espinha de peixe dobrado, folha de feto, formiga simples, nozinho, pé de flor, pesponto, atrás, pontinha a direito, pontinhos pequenos, rede, volta, pregas da imprensa, bicos e de galo.
Nos bordados com fios de lã não se emprega o crivo. Os desenhos são cheios com pontos largos lançados na mesma direcção e contíguos. Os pontos mais utilizados são o de pé de flor, o ponto russo, de sombra do avesso, de cordão, de palhete, de formiga, de nós, de espinha, de bicos, de Bolonha, a cavalo de recorte (nos ilhós), de Margarida e outros pontos e fantasia.
O ponto aberto também é muito utilizado para unir conjuntos de fios; o ponto pé de flor é um dos pontos principais dos bordados de Viana do Castelo e consiste em imitar um cordão fininho lançando a agulha um pouco à frente do ponto anterior e fazendo-a sair a meio, ao lado deste.
A nomenclatura de ponto pé de flor ou ponto de haste é dada por ser muito utilizado em bordados que executam pés e hastes de flores. As bordadeiras dão-lhe ainda o nome de ponto de máquina por imitar o ponto que esta faz (a agulha ao mesmo tempo que lança um ponto vai atrás fazer outro dando um efeito de pontos iguais).
Nestes bordados podemos encontrar, por vezes, uma carreira deste ponto no meio de outros como os pontinhos pequenos regularmente distantes uns dos outros, ou pontinhos a direito que são lançados na vertical de uma só vez e apanhando parte do tecido.
Para prenderem melhor o cordão, palhete ou fio dourado, as bordadeiras usam o fio de nó que também, por vezes, é utilizado no enchimento dos desenhos.
O ponto formiga é constituído por duas carreiras de pequenos pontos, paralelas e alternadas, que são trespassadas por outra linha de cor diferente em ziguezague. No final obtém-se um aspecto geral de ondas.
O ponto de espinha de peixe lembra a espinha destes animais e consiste em pontos oblíquos, cruzando-se quase nas extremidades.
O ponto de espinha de peixe dobrado é o mesmo ponto de espinha executado nos intervalos deste.
O caseado chama-se assim ou de recorte porque fica junto ao corte que se faz para o remate das casas dos botões no caso de trajes, e só é usado neste caso.
O ponto nozinho é um ponto em forma de nó em que a agulha enrola várias vezes à volta de si mesma a linha, puxando a linha e dando um aspecto de nozinho.
O ponto de crivo é muito utilizado no interior dos motivos, mas trata-se de um crivo muito simples que nem sequer é tecido.
Os motivos dos bordados de Viana do Castelo são baseados em motivos da fauna e da flora da região, bem como da vida quotidiana das camponesas minhotas
São: corações (contornados com ponto pé de flor, e baseado no sentido metafórico que as camponesas dão ao “cofre amoroso” pelo que bordam junto uma chave), folhas de trevo, de hera, morango, videira e carvalho (sempre estilizadas), chaves (estilização da chave de uma fechadura), cruzes (a cruz de Cristo bordada com o ponto de cruz, já usada nos lenços da mão), passarinhos, ângulos (linhas quebradas ou curvas que unem determinados motivos), japoneiras (estilização da flor da cameleira), silvas (linha recta ou curva de onde saem pequeninas folhas), vasos (estilizações de vasos de plantas), asas (pequenas argolas que rematavam o bordado de antigas camisas), botõezinhos (pequenas golas bordadas a cordão ou a cheio), caracol (linhas em espiral feitas com ponto de cordão), furinhos (pequenos buracos caseados também chamados ilhós), molhinhos (conjunto de pontos lançados em grupo de dois, sendo cada grupo cortado a meio por um ponto lançado na horizontal), murinhos (pontos de formiga que imitam um muro), pintinhas fechadas (bolas pequenas bordadas a cheio), trinca – fios (linhas quebradas com pontos a direito), rosas, cachos de uvas (cachos de uvas estilizados por uma série de círculos.
As camponesas minhotas são mulheres com uma sensibilidade artística que lhes permite improvisar composições originais que reflectem as suas próprias vivências.
Em geral, os bordados com fio de algodão aparecem em simetria quaternária.
Nos bordados das lãs, as composições são geralmente simetrias binárias ou assimétricas.
A bordadeira, nas suas composições, não se preocupa com o rigor da verdade, isto é, podemos encontrar com frequência, por exemplo, desenhos de rosas com folhas de videira, mas o que importa é obter conjuntos que agradem e sejam harmoniosos.

Referência Bibliográfica:
Paulo Fernando Teles de Lemos Silva, Bordados tradicionais portugueses, Dissertação de Mestrado em Design e Marketing - Área de Especialização em Têxtil, Universidade do Minho, 2006
Ana Pires, Caderno de Especificações do Bordado de Viana do Castelo, Câmara Municipal de Viana do Castelo, 2006

Artigos relacionados: Minho

terça-feira, novembro 06, 2007

O bordado de Castelo Branco – Beira Baixa











Os Bordados Tradicionais de Castelo Branco, antigamente designados por “bordados a frouxo”, caracterizam-se por um desenho muito próprio, identificável quer pelos motivos que utilizam quer pela forma de os desenhar.

A designação de hoje dada aos bordados, “Bordado de Castelo Branco”, foi criado em pleno séc. XX e teve como resultado associar este bordado à região de Castelo Branco. Estes trabalhos são realmente mais abundantes na região da Beira Baixa, no entanto, podemos também encontrar alguns exemplares, ainda que em menor número, em todo o território nacional e mesmo na Estremadura Espanhola.

É possível atribuir os exemplares mais antigos ao séc. XVII.

Parecem ter tido como finalidade, suprir a necessidade de providenciar uma cobertura. A produção caseira, para consumo caseiro, de peças têxteis era o modo de produção normal e quotidiano das populações, a cargo das mulheres. O gosto em ornamentar o têxtil, quer ainda no tear, quer já depois de tecido e mesmo confeccionado, é provavelmente tão antigo quanto a tecelagem. A utilização dessas peças, talvez tenha ocorrido, numa primeira fase, em momentos de festividade e, numa fase posterior, passaram a integrar o quotidiano familiar.

Os Bordados de Castelo Branco sempre tiveram o seu maior expoente nas colchas, possuindo um aspecto simbólico.

As raparigas, em idade de casar, enfeitavam o seu leito com as colchas de grande decoração e policromia junto à janela que dava para a rua onde passaria o rapaz, para que este a visse e, possivelmente, ficasse impressionado e enamorado.

Se por um lado estas peças faziam parte do enxoval das raparigas em idade de casar, elas foram utilizadas num primeiro momento, especialmente em dias de festa, para posteriormente serem elementos que começaram a integrar o quotidiano familiar.

Ao longo dos anos, a arte dos Bordados de Castelo Branco sofreu influências orientais com a inclusão de motivos persas, da Índia e da China, mas também consideráveis influências da Renascença, do Barroco dos brocados e damascos, para além da inventiva popular.

Os motivos bordados possuem uma simbologia muito própria. O pássaro bicéfalo representa Duas Almas Num Corpo Só; as albarradas a Família; as árvores a Vida; os dois pássaros os Desposados; a coroa real o sinal da Autoridade Patriarcal e os encadeados, a cadeia indestrutível do casamento.

Assim, os Cravos alegorizam o Homem; as rosas a Mulher; os lírios a Virgindade; os corações o Amor; as gavinhas a Amizade; a hera a firme Afeição; os jasmins a Virtude; o galo a Virilidade; as romãs e as pinhas a união e a solidariedade indissolúvel da Família; as frangas e os galaripos a Prole bendita e os lagartos, o amuleto da felicidade sempre muito desejada.

Nos nossos dias este trabalho é preservado pela Escola de Bordados Regionais, incorporada no Museu Tavares Proença Júnior, que vê o passado destes bordados como um património de grande importância e o qual deve ser preservado. No entanto, considera que a oficina – escola do museu não deve situar-se apenas num papel de era copista da produção passada, mas deverá ser um ponto de partida para a expressão rústica dos artesãos contemporâneos, caso contrário esse imobilismo poderia provocar a morte lenta desta tradição. Existe ainda a preocupação de não se provocarem rupturas abruptas e sem enquadramento, nos casos das alterações nos pormenores dos desenhos.

Se pensarmos que a capacidade criativa e expressiva dos bordados de Castelo Branco nasceu das antigas bordadeiras, então não poderemos asfixiar a capacidade criativa das bordadeiras contemporâneas.

A actual oficina – escola aposta numa criação de bordados que sejam ao mesmo tempo renovados e de qualidade.

Técnica dos bordados de castelo branco

Os bordados de Castelo Branco são efectuados em tecido de linho com bordados a fio de seda frouxo, isto é, que não foi torcido, com a ajuda de um bastidor circular. Os aros são encontrados em diversos tamanhos e são acolchoados, possuindo um suporte para mesa ou chão.

Estica-se o tecido no bastidor com um guardanapo de papel entre a argola exterior e o bordado, para que o arco não marque o tecido.

O ponto que mais se aplica nos bordados é o cheio frouxo ou “ponto largo”, também designado ponto de Castelo Branco, que mais não é que uma variante do “ponto de oriente” ou da “Hungria” ou de “Bolonha”. Aparece em todos os trabalhos, mas predomina nos de carácter popular acompanhado de outros mais simples. Torna-se económico porque cobre apenas a superfície superior.

A bordadeira enfia a agulha por baixo e estende o fio até à extremidade oposta. Prende o fio e regressa ao ponto de partida. Num movimento de vai e vem, cobre a superfície que deseja bordar.

No avesso ficam apenas os pontarecos que prendem a seda. Terminada esta operação, lança fios paralelos que distam aproximadamente um centímetro dos outros, no sentido perpendicular ao bordado. Estes fios são presos por pontos espaçados de meio centímetro. Denominam-se prisões e aqui uma alusão ao casamento que é a prisão de dois seres que se amam.

Outros pontos mais complexos e alguns de origem oriental, vão enriquecer as colchas híbridas e em especial as eruditas.

Os pontos mais conhecidos são: frouxo, pé de flor, atrás, cadeia, espinha, lançado, lançado espinhado, margarida, recorte simples, recorte contrariado, galo, galo travado, galo com variantes, nó, embutido, fundo, matiz, formiga, asna, coroa, pena, grilhão.

A aplicação dos pontos depende do gosto da bordadeira que procura equilibrá-los de modo a formar uma textura agradável.

Escolhidos os motivos simbólicos que vão preencher o campo e a barra, faz-se o seu desenho em folhas de papel vegetal. Como as colchas são de simetria binária, basta apenas fazer um desenho de um quarto da colcha.

Numa mesa comprida ou no chão estende-se o linho de origem caseira. Antigamente o pano era riscado a tinta, hoje emprega-se o papel químico de preferência amarelo porque deixa marcas suaves.

Seis bordadeiras, três de cada lado, bordam o linho segundo as cores e os pontos escolhidos.

Terminado o bastidor, desmancha-se e enrola-se a parte bordada, ficando a outra livre para se continuar o trabalho. Assim se vai procedendo até ficar pronta.

É novamente estendida sobre uma mesa ou no chão para se verificar se há algum engano que seja preciso corrigir.

Num tear apropriado uma das bordadeiras tece ainda uma franja que é aplicada depois de a colcha ser passada a ferro.

O trabalho fica concluído com a aplicação de um forro de chita.

A colcha dá muito trabalho e as seis bordadeiras demoram um mês ou mais a executar.

Referência Bibliográfica:
Silva, Paulo Fernando Teles de Lemos, Bordados Tradicionais Portugueses, Dissertação de Mestrado em Design e Marketing - Área de Especialização em Têxtil, Universidade do Minho, 2006
Bordado de Castelo Branco. Catálogo de Desenhos. Colchas I,
Museu de Francisco Tavares Proença Júnior, Lisboa, IPM, 1992

Artigos relacionados: Beira-Baixa
Site recomendado: Fátima Paixão

domingo, novembro 04, 2007

O Ouro do Minho – O Ouro de Viana


Trazer ouro no pescoço

Brinquinhos a dar a dar

É bonita gosto dela

Tem olhos de namorar.


Francisco Sampaio é sobejamente conhecido pelo seu trabalho em prol da defesa das tradições populares minhotas. O texto que vos apresento é da sua autoria, sendo um excerto do catálogo do Cortejo Etno-Folclórico da Romaria da Senhora d’Agonia de 2006, em Viana do Castelo.

Neste texto demonstra a importância do ouro no traje minhoto.

Ouro e Traje – Uma homenagem à mulher e às moçoilas de Viana

Foi o Traje “à vianesa” o grande responsável pela riqueza dos enfeites, das filigranas, das jóias tradicionais e onde a mulher de Viana se sente como ninguém ao fazer do seu “peito” uma mostra de bom gosto e de bem trajar.

Assim, a rapariga de Viana no seu traje de trabalho ou de cotio, nas lides domésticas ou no trabalho do campo não se sente “ourada” quando usa brincos e colar de contas. O subterfúgio da “orelha ferida” ou o epiteto de “fanada” era o mínimo que se podia dizer de uma rapariga sem brincos!

No “traje de domingar” e já a fazer “versos” nos lenços de amor usa o primeiro “cordão”, que lhe concede o estatuto de rapariga namoradeira. O mesmo se passa com o traje de ir à feira.

Só o “traje de festa”, também designado por “traje de luxo” é que “obriga” a rapariga a aparecer “ourada”. E isto significa, quando são mordomas, a aquisição do segundo cordão com “peças” (medalhas de libra ou meia libra), borboletas (corações invertidos), a “laça”, os brincos “à rainha”, a pregadeira das “três libras”, “Santa Custódia” ou “Brasileira” a lembrar os tempos de emigração.

O Traje de Noiva – obriga ao terceiro cordão, oferta do noivo – um cordão grosso, a “soga”, um cordão “de bom cair” pelo seu muito peso, ao trancelim.

O Traje de Morgada – sinónimo de casa farta, boa lavoura, criadagem, tulha cheia, soalhos encerados e o cheiro a mosto das adegas. Uma só jóia na casaquinha justa – a gramalheira / grilhão / bicha. Gramalheira - por se assemelhar a uma corrente grossa usada para suspender os potes de três pernas da lareira; grilhão - pela sua analogia com as correntes metálicas; bicha – pela semelhança da parte do colar a uma cobra com escamas.

A união do colar – ao centro com chapas de ouro lisas e geometricamente recortadas – faz-se com uma roseta em relevo com pedras. Dos braços laterais caem franjas e, ao centro, o medalhão que pode atingir 20 centímetros com os mais variados motivos folclóricos.

Em termos de conclusão podemos afirmar que o Traje e o Ouro à Vianesa estão padronizados a partir do 2º quartel do Séc. XIX, altura em que os regionalismos, no Portugal liberal, se definiam.

A Montra de Oiro de uma Lavradeira

Escolhemos da Montra de Oiro de uma Lavradeira (no dizer do Tenente Afonso do Paço), as seguintes jóias:

ARRECADAS DE VIANA – Castrejas (as complexas arrecadas como as de Laúndos,

Afife e Estela) – Com a sua “janela”, ou “pelicano” ou “bambolina” na sua forma lunular com as respectivas campainhas, sempre em número ímpar, e que têm a virtude

de afastar espíritos maléficos.

ARGOLAS – (Castrejas) – Também, chamadas barrocas, carretilha, a cigana, de Leque (com ou sem turquesas), torcidas, regueifa (com um torcido a imitar o pão de regueifa), indianas (de canovão relativamente fino, de suspensão em gancho ou com

fio de suspensão ao correr da curvatura), carniceiras ou de Barcelos.

COLARES DE CONTAS – (produzidas pelas civilização grega, etrusca e fenícia e que os castrejos, também, adoptaram). As contas vianesas ou os colares de contas de Viana assemelham-se às etruscas. As primeiras contas eram maciças; mais tarde é que passaram a ser ocas. O colar de contas é adquirido pela jovem alto minhota à custa das poucas economias que provinham da venda dos ovos, dos frangos ou das primícias da horta. É usado com uma pendureza, normalmente, uma borboleta, uma cruz de canovão raiada ou uma custódia. Toda a vida.

BRINCOS À RAINHA – ou à “Vianesa” ou “Picadinhos”. São compostos por duas peças, tal como a laça. É do período Rocaille e, pertence pelos ornatos, à chamada gramática de D. Maria I. São, também, amuletos, desenhando formas arredondadas e curvílineas. Quais arrecadas laminares, articuladas por argolins de ouro, recortadas ou vazadas, parecem feitos de renda.

CORDÕES – são fios com dois metros, ou mais, para assim se conseguirem quatro voltas no pescoço. O cordão era o terceiro ouro da rapariga, logo a seguir às arrecadas e ao colar de contas. Conforme a textura dos elos podem ser “sogas” (mais grossos) ou apelidados de “linhas” (mais finos). A lavradeira nunca usa o cordão oco.

PEÇAS / MOEDAS / MEDALHAS DE IMITAÇÃO usadas como ornamento desde os Romanos: são muito correntes os alfinetes com moedas de ouro. As peças são moedas autênticas embelezadas com cercaduras chamadas “encastoamentos”; a medalha de imitação é muito semelhante à peça, diferenciando-se pela moeda que é de imitação e pelo “encastoado” que para se distinguir da verdadeira apresenta tamanho inferior e acabamento menos perfeito.

MEMÓRIAS – São peças ocas, de abrir, de diferentes tamanhos e formas diversas, podendo ser ovais, redondas, quadradas, com feitio de losango, de corações. Exprimem quase sempre uma saudade, encerrando em cofre uma madeixa de cabelo, um fragmento de vestido, uma pequena frase ou simples letras, uma breve oração, uma fotografia, constituindo terna recordação.

CRUZES – peças que se apresentam com variadíssimos formatos:

a) as fundidas com resplendor (na parte superior) que são cruzes maciças e acabadas manualmente. Têm na parte superior e em redor dos braços, um resplendor e, na parte inferior, uma “Mater Dolorosa” ou uma Senhora da Conceição.

b) Cruzes de “canovão” e filigrana – têm resplendor em filigrana, “rodilhões” e na parte inferior a “Mater Dolorosa” ou Senhora da Conceição.

c) Cruzes barrocas – são ocas, apresentando os braços bojudos e muitos motivos florais em relevo.

d) Cruzes de estrelas ou de Malta têm as linhas da Cruz de Malta, filigranada, guarnecidas com curiosos esmaltes.

LAÇA – Jóia de intervenção real, depois, popularizada. Formada por duas peças. Foi atribuída a D. Maria Ana de Áustria, a célebre “laça das esmeraldas”. É a primeira jóia verdadeira do Minho, constituída por uma laçada dupla e decoração de fios enrolados, podendo ter um diamante ao centro. O seu nome provem da argola que tem por trás para ser usada com uma fita de seda. Mais tarde, tomaram a forma que tem hoje – coração invertido.

CUSTÓDIA – Também, chamada relicário, “questódia”, “lábia”, “brasileira”. O nome provém da semelhança na parte central com os expositores do “Santíssimo” ou “Ostensórios”.










CORAÇÃO – Oferta de D. Maria I como ex-voto ao Coração de Jesus para ter um filho varão. Assim, nasce a Basílica da Estrela. Coração que enche o peito das nossas mulheres e raparigas no Traje à Vianesa. Coração com que D. Maria I manda timbrar as grandes condecorações nacionais: as Ordens de Cristo, Avis e Santiago.

TRANCELIM – só deve ser adquirida depois da Lavradeira ter o segundo ou terceiro cordão. É uma peça muito trabalhada de trazer ao pescoço e da qual se suspendem medalhas ou “pendurezas” a distinguir: a borboleta, a custódia, o crucifixo, o coração opado, a laça, a peça ou a medalha. Os trancelins têm o mesmo cumprimento que os cordões, mas os seus elos são trabalhados, normalmente, em filigrana. Conforme o formato, são designados de trancelins de losangos, de lampião e de rodilhão.

GRILHÃO / GRAMALHEIRA / BICHA – Constituído por um colar tecido de finíssimo fio de ouro, chapas recortadas e perfuradas. A união do colar faz-se com uma roseta em relevo. Ao centro, existe um medalhão ornado com motivos florais. Uma das mais bonitas peças – a mais “requintada” e a mais “obrada” e com um significado de abastança do lar minhoto. Jóia que significa a apoteose do Ouro do Minho.

Bibliografia: Francisco Sampaio, O Ouro do Minho – O Ouro de Viana, catálogo do Cortejo Etno-Folclórico da Romaria da Senhora d’Agonia, Viana do Castelo, 2006.

Artigos relacionados: Minho

sexta-feira, novembro 02, 2007

A mulher em casa – Algarve

O núcleo familiar é muito estimado em Portugal. No início do sec.XX era comum a coabitação dos jovens casais com pais ou sogros e quando não era possível, construía-se uma casa ao lado e o núcleo familiar permanecia unido. A mulher é rainha em sua casa.
No também no Algarve a mulher desempenha um importante papel na gestão da económica familiar.
Nos momentos de prosperidade gostava de mostrar o ouro, no entanto, estes geralmente não eram duradouros e a mulher recorria ao ourives ou ao estabelecimento de penhores.
A mulher algarvia vestia cores garridas, mas quando o homem estava ausente imperava o negro.
No interior da casa e nas lides do dia-a-dia, a mulher usa lenço de cabeça, de tecido de algodão estampado, que aperta na frente.
A blusa é de tecido de algodão em tons de azul. Corte simples, aberta na frente e mangas compridas com punhos.
Saia em tecido de algodão azul formando riscas, a extremidade inferior possui um folho do mesmo tecido.
O avental é de tecido de algodão azul estampado em tons policromados, formando motivos florais, possuindo na extremidade inferior nervuras e folho do mesmo tecido.
Calça sapatos de carneira ou tamancos de madeira com a parte superior em cabedal.
Bibliografia recomendada: Orla Marítima, Traje do Algarve - Museu Nacional do Traje
Artigos relacionados: Algarve

sábado, outubro 27, 2007

Trajo Domingueiro – Malpica do Tejo – Beira Baixo

Este é um traje de festa feminino da 1ª metade do século XX, onde se destaca a camisa com “folhadura e renda larga da moda velha” feita pelas mãos das mulheres.
A camisa é de linho de corte tradicional, isto é, com cabeção e fralda. Decote guarnecido com folhos de renda, caído sobre os ombros. Peitilho abotoado no centro, dec
orado com pregas e bainhas abertas e bainhas abertas. As mangas são largas e pregueadas na parte superior e bordadas junto aos punhos.
O colete de lã vermelho possui um grande decote quadrado e cavas profundas, sendo ajustado na frente com cordão e decorado com gregas de várias cores.

A saia de cima é de castorina vermelha, sem cós, mas com fita na cintura, ornamentada na orla com motivos florais recortados, cercadas de tecido preto, em forma de barra. Avental de sarja preta, com algibeira, decorado na orla com gregas de várias cores.
Na cabeça, lenço de algodão estampado com várias cores atado atrás e laço cor-de-rosa ao pescoço. Calça meias de algodão branco rendadas e sapatos pretos.
Ornamenta-se com argolas de ouro nas orelhas e cordões de ouro ao peito.

Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados: Beira-Baixa

quarta-feira, outubro 24, 2007

Trajo Feminino – Miranda do Douro – Trás-os-Montes


Aparentemente sóbrio, este trajo esconde peças de intenso colorido no colete, na faixa e no saiote amarelo, vermelho, azul ou verde, com largos bordados e fitas aplicadas na orla. As raparigas gostavam de exibir o saiote como saia, tal como a algibeira presa na cintura, embora o usassem sobretudo no Inverno, só o mostravam quando levantavam a saia de fora, durante os trabalhos do campo. A mantilha, usada no tempo frio, nunca deixou de acompanhar as mulheres de respeito nas suas saídas à rua.
A mulher transmontana usa uma camisa de linho, de cós guarnecido de caneluras e mangas compridas com punho. Casaquinha de saragoça preta, justa ao corpo. Nas costas, sobre a linha da cintura, o rabicho. Colete de seda lavrada em tons policromados, aberto na frente, ajustado com cordão e ilhós. Entre o colete e a camisa, baixa de lã, aconchegando o busto. Saia de fora de saragoça preta, farta de roda, franzida na cintura, excepto na frente para evitar avolumar a barriga. Junto à orla, duas barras de veludo aplicadas. Na cabeça, lenço e mantilha de saragoça preta, descendo até meio da perna. Calça meias brancas rendadas e sapatos de bezerro apertados com ilhós e lingueta.
Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados:
Trás-os-Montes

segunda-feira, outubro 22, 2007

Trajo “Arraiano” – Idanha-a-Nova – Beira Baixa

Este trajo é proveniente de uma região fronteiriça, entre Portugal e Espanha, com grandes tradições de contacto, sobretudo comercial. Sendo famosas as histórias do contrabando entre ambos países.
Era usado tanto pelas mulheres solteiras como pelas casadas em determinadas datas festivas.
Fazia também parte deste trajo uma casaca muito cintada, com peitilho de veludo pregueado de cor diferente. As mangas eram justas, com o punho enfeitado com folhos e rendas. Sobre a casaca, usava-se o xaile de caxemira.
Os xailes de caxemira, bordados manualmente a seda, formando motivos florais, e orla guarnecida de franjas de lã, que vinham antigamente de Espanha, foram mais tarde substituídos pelos estampados de Alcobaça.
A mulher usava blusa de algodão branco, abotoada na frente e decorada com rendas ou bordados. Saia de lã, com tons alegres e vivos, pregueada, excepto na frente (saia de barriga lisa) decorada com barras pretas. Sobre a saia, avental preto, decorado com bordados e galões.
Cruzado sobre o peito, um lenço florido com cores vivas, com as pontas caídas sobre as costas. Na cabeça, lenço de lã estampado, cruzado na nuca e atado na testa.
Calça meias rendadas brancas e sapatos ou chinelas.
Adornam as orelhas com argolas de ouro e ao pescoço usam a “coleira” que é a primeira peça de ouro, oferecida pelos pais.
Na imagem todas as mulheres usam um adufe. Trata-se de um instrumento de precursão de forma quadrangular, de armação em madeira e revestido a couro, que acompanha os cantares das mulheres beirãs.
O pequeno filme que se segue é exemplificativo da forma como se toca o adufe, acompanhado, neste caso, uma das canções mais emblemáticas da Beira Baixa, “Senhora do Almurtão”.

video

Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados:
Beira-Baixa

domingo, outubro 14, 2007

Documentário sobre a Nazaré

Numa curta visita ao YouTube encontrei este documentário sobre o Rancho Folclórico Tá-Mar da Nazaré.
Observem bem os trajes, como eram e como são apresentados actualmente.

video