quinta-feira, abril 02, 2015

1º Congresso de Folclore e Etnografia do Alentejo

Irá realizar-se no próximo dia 11 de Abril na Biblioteca Municipal Almeida Faria, o "1º Congresso de Folclore e Etnografia do Alentejo", organizado pela Federação do Folclore Português.
Deixo o programa e a ficha de inscrição.

A não perder.



quarta-feira, março 25, 2015

“TRAJE ENCENADO” NO MUSEU MUNICIPAL DE OURÉM


“TRAJE ENCENADO” é a próxima proposta para a exposição temporária do Museu Municipal de Ourém – Casa do Administrador, e será inaugurada pelas 16h00 do dia 29 de março.

Até ao dia 28 de junho, o visitante terá acesso a representações nacionais de trajes - encenados e fotografados em estúdio por Carlos Relvas entre finais do século XIX e inícios do século XX – que comunicam com indumentárias de trajes de Ourém, recriados por oito grupos de ranchos folclóricos do concelho, exibidos nas suas atuações.

A exposição poderá ser visitada de terça a domingo, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

O Museu Municipal de Ourém (MMO) é uma estrutura de gestão museológica e patrimonial, apta a coordenar o funcionamento das várias unidades com tutela municipal.

A Casa do Administrador é uma infraestrutura permanente, vocacionada para o estudo e a difusão da representação da identidade cultural e dos patrimónios de Ourém.

O edifício associa-se à história das Aparições de Fátima por ter acolhido os três videntes, Jacinta, Francisco e Lúcia entre 13 e 15 de agosto de 1917. Essa ocorrência teve como mediador Artur Oliveira Santos, figura da história local que ocupava o cargo de Administrador do Concelho, e por isso interferiu no fenómeno religioso interrogando as crianças e alojando-as em sua casa.

quarta-feira, março 18, 2015

EMBAIXADA DE BONECOS

A partir de 1935 Thomaz de Mello e Dalila Braga criaram uma coleção impar de modelos de bonecos envergando os fatos tradicionais portugueses.

Thomaz de Mello
Coube a Thomaz de Mello a conceção da estrutura e modelação das cabeças e Dalila Braga a confeção dos traje e acessórios, sob a orientação de Francisco Laje, que seria o primeiro diretor do Museu de Arte Popular.
A coleção esteve patente na Sala de Arte Popular do pavilhão de português na Exposição Internacional de Paris em 1937 e foi incorporada no Museu de Arte Popular em 1958.
 
Exposição Internacional de Paris
Na sua modelagem e confeção dos 82 modelos existentes foram utilizados materiais como a pasta de papel, crina, chumbo, lã, algodão, seda, linho, vidrilho, pele, couro, madeira, etc., possuindo uma altura entre os 53 e os 60 cm, podendo alcançar os 70 cm com os acessórios colocados à cabeça.
A beleza destas miniaturas reside sobretudo no pormenor dos trajes, aplicado a todos os elementos que o compõem e onde não faltam os adornos em ouro ou os utensílios que caracterizam a personagem.

Dalila Braga
Deixo aqui imagens de alguns exemplares.