quarta-feira, Abril 16, 2014

A CROÇA IV

Um dos erros que cometemos no terreno é o da antecipação. Às vezes, não vale a pena perguntar o nome das coisas ou sugerir termos quando nenhum nos é dito. Basta esperar que, de uma forma natural, as pessoas refiram as palavras certas. No tempo certo.

Pano - corresponde ao forro da croça, isto é, aos juncos que estão voltados para o interior da croça

Mechas - conjuntos de juncos que vão sendo incorporados, ponto por ponto, na croça

Medas - conjuntos de juncos acabados de serem colhidos no juncal (e atados com os baraços)

Madas - conjuntos mais pequenos de juncos que são delubados e massados

Tranças - correspondem às cordas de segurança

Tranças horizontais - correspondem às cordas que vão atando as mechas de juncos

 
Na construção da segunda carreira, a croça aumenta 14 pontos e ganha amplitude. A segunda carreira é construída a oito-nove centímetros de distância da primeira carreira. A técnica é a mesma que é utilizada na construção da primeira carreira: o croceiro usa simultaneamente duas mechas e duas tranças horizontais.

Como mostrei anteriormente, na primeira carreira, de três em três pontos faz-se uma trança. Isto significa que entre duas tranças existem dois pontos.

Nesta segunda carreira é preciso aumentar um ponto por cada dois. Deste modo, entre duas tranças, passam a existir três pontos. Na Imagem 13 pode ver-se, claramente, como na primeira carreira os dois pontos passam a três na segunda carreira.

Imagem 13
Para fazer a segunda carreira é necessário, em cada ponto, separar os juncos que formam o pano da croça daqueles que constituem a sua camada exterior (Imagem 14). Apenas aqueles que formam o pano da croça serão entrançados nas tranças horizontais.

Imagem 14
Vamos considerar uma sequência de uma trança e dois pontos (da primeira carreira). Começa por se separar, num ponto, a trança dos juncos que ficarão voltados para o exterior da croça (Imagem 15).

Imagem 15
De seguida, à corda junta-se uma mecha de juncos, ficando os pés dos juncos voltados para cima e as flores dos juncos para baixo (Imagem16).

Imagem 16
Depois, há que torcer as duas tranças horizontais fazendo-as passar (primeiro a da esquerda e depois a da direita sobre a esquerda) por cima do conjunto de juncos formado pela trança e pela mecha de juncos que se juntou à trança. A Imagem 17 mostra esta operação embora não seja executada no ponto da trança.

Imagem 17
A operação seguinte consiste em passar a mecha do ponto anterior torcendo-a sobre si mesma e por trás da mecha do ponto que se está a trabalhar, fazendo-a descer (Imagem 18 e 19).

Imagem 18
Imagem 19
Nos dois pontos seguintes da primeira carreira, separar os juncos que constituem o pano daqueles que formam o exterior da croça. Dos juncos que formam o pano da croça, separar em três conjuntos de forma a obter os três pontos da segunda carreira (Imagem 20).

Imagem 20
No primeiro conjunto, juntar uma mecha de juncos (como se fez com o ponto da trança) e repetir as operações, isto é, torcer as duas tranças horizontais fazendo-as passar (primeiro a da esquerda e depois a da direita sobre a esquerda) por cima do conjunto formado pelos juncos correspondentes ao ponto da primeira carreira e à mecha de juncos que se juntou a esse ponto. Depois, passar a mecha do ponto anterior torcendo-a sobre si mesma e por trás da mecha do ponto que se está a trabalhar, fazendo-a descer. Repetir a operação para os dois conjuntos seguintes (Imagens 21 a 24). Assim se transformam dois pontos em três pontos.

Imagem 21
Imagem 22
Imagem 23
Imagem 24
Artigos relacionados: "A Croça I- Montalegre", "A Croça II", "A Croça III"

sexta-feira, Abril 11, 2014

Lenda do Folar da Páscoa


A lenda do folar da Páscoa é tão antiga que se desconhece a sua data de origem.

Reza a lenda que, numa aldeia portuguesa, vivia uma jovem chamada Mariana que tinha como único desejo na vida o de casar cedo. Tanto rezou a Santa Catarina que a sua vontade se realizou e logo lhe surgiram dois pretendentes: um fidalgo rico e um lavrador pobre, ambos jovens e belos. A jovem voltou a pedir ajuda a Santa Catarina para fazer a escolha certa. Enquanto estava concentrada na sua oração, bateu à porta Amaro, o lavrador pobre, a pedir-lhe uma resposta e marcando-lhe como data limite o Domingo de Ramos. Passado pouco tempo, naquele mesmo dia, apareceu o fidalgo a pedir-lhe também uma decisão. Mariana não sabia o que fazer.

Chegado o Domingo de Ramos, uma vizinha foi muito aflita avisar Mariana que o fidalgo e o lavrador se tinham encontrado a caminho da sua casa e que, naquele momento, travavam uma luta de morte. Mariana correu até ao lugar onde os dois se defrontavam e foi então que, depois de pedir ajuda a Santa Catarina, Mariana soltou o nome de Amaro, o lavrador pobre.

Na véspera do Domingo de Páscoa, Mariana andava atormentada, porque lhe tinham dito que o fidalgo apareceria no dia do casamento para matar Amaro. Mariana rezou a Santa Catarina e a imagem da Santa, ao que parece, sorriu-lhe. No dia seguinte, Mariana foi pôr flores no altar da Santa e, quando chegou a casa, verificou que, em cima da mesa, estava um grande bolo com ovos inteiros, rodeado de flores, as mesmas que Mariana tinha posto no altar. Correu para casa de Amaro, mas encontrou-o no caminho e este contou-lhe que também tinha recebido um bolo semelhante. Pensando ter sido ideia do fidalgo, dirigiram-se a sua casa para lhe agradecer, mas este também tinha recebido o mesmo tipo de bolo. Mariana ficou convencida de que tudo tinha sido obra de Santa Catarina.
 
Inicialmente chamado de folore, o bolo veio, com o tempo, a ficar conhecido como folar e tornou-se numa tradição que celebra a amizade e a reconciliação. Durante as festividades cristãs da Páscoa, o afilhado costumam levar, no Domingo de Ramos, um ramo de violetas à madrinha de batismo e esta, no Domingo de Páscoa, oferece-lhe em retribuição um folar.
Fonte: Infopédia
 
 

quarta-feira, Abril 09, 2014

Chancas


Chancas de Coimbra
Datação: XIX d.C. - XX d.C.

Matéria: Madeira; Metal; Cabedal

Dimensões (cm): altura: 16,5; largura: 13,3; comprimento: 29;

Descrição: Chancas (par) de rasto em madeira e gáspea, talão e cano, de cabedal de cor acastanhada. O rasto é constituído por salto, enfranque e pata. O salto é baixo e afunilado. Apresenta cinco cardas de ferro, espalhadas pelos limites do topo do salto, em círculo. O enfranque é curvilíneo, em continuação com a pata. Esta apresenta, espalhadas pelos seus limites e semeadas no interior, cardas de ferro. A unir o rasto à gáspea, ao talão e ao cano, uma banda de cabedal de cor castanha, pregada de espaço a espaço por pregos metálicos de cabeça larga batida. Na zona da biqueira, esta banda forma espécie de meia-lua protectora. Na chanca do lado esquerdo, surge, na metade do lado direito, vindo do início da pata até meio da biqueira, uma barra de ferro, sobreposta à madeira do rasto e à tira de cabedal, seguindo os contornos desta, mas com menor amplitude na biqueira. É presa à madeira por meio de quatro pregos, igualmente espaçados. A gáspea apresenta, na chanca do lado direito, justapostas à biqueira, duas tiras de sola de cor preta, pregadas em cada lado, ao rasto, com pregos metálicos. Ambas as chancas apresentam língua, que se sobrepõe ao pé. Termina com os cantos arredondados a meio do enfranque. Um pouco antes de tal terminação, pela parte de dentro, inicia-se o talão. Este é subido, cobrindo toda a zona do calcanhar. Sobre a totalidade do talão e parte da gáspea, surge um cano baixo, de duas peças cosidas entre si, atrás, por meio de uma terceira tira muito fina do mesmo material, disposta no sentido da altura. É aberto à frente, ao centro. O corte frontal do cano forma uma espécie de aba de limites arredondados, uma de cada lado da língua da gáspea. A extremidade inferior de tais abas forma um bico. Este é coincidente com o ponto a 2/3 da largura, e metade do comprimento da gáspea. De tal vértice, segue um arco côncavo descendente até tocar o rasto, ponto este que é coincidente com o início da gáspea. As abas do cano são atravessadas por seis ilhós, dispostas equidistantes, no sentido da altura. Tais ilhós são atravessadas por uma fina fita de cabedal - atacadores. Alinhada com a abertura do cano, mas no lado oposto, uma presilha em laço. Sobre o cano, na parte de trás da chanca, vindo do rasto até cerca de 2/3 da altura, um segundo talão, de formato hiperbólico.
 
Chancas
Datação: XIX d.C. - XX d.C.

Matéria: Madeira; Metal; Cabedal; Tecido

Dimensões (cm): altura: 16,5; largura: 10; comprimento: 27;

Descrição: Chancas (par) de rasto em madeira e gáspea e cano, de cabedal de cor acastanhada. O rasto é constituído por salto, enfranque e pata. O salto é baixo. Apresenta vestígios de aplicação de sola (?) com as mesmas dimensões da área de aplicação, no topo. O enfranque é curvilíneo, em continuação com a pata. Esta apresenta, a contornar os seus limites externos, vestígios de espécie de ferradura em sola (?), pregada à madeira com pregos metálicos. A gáspea é unida ao rasto por meio de pregos metálicos de cabeça larga e batida, dispostos muito juntos. As orelhas são subidas, encontrando-se unidas ao centro da parte de trás da chanca. Sob as gáspeas, surge o cano, baixo. Apresenta atrás, ao centro, um pequeno talão trapezoidal, cuja aresta superior, a mais pequena, é presa à extremidade superior do cano por meio de uma ilhós e de um botão metálico. Desce daí, alargando-se até às orelhas. A parte da frente do cano, ao centro, é aberta até à junção com a gáspea. Apresenta de cada lado da abertura, sete ilhós equidistantes, colocadas no sentido da altura. Tais ilhós são atravessadas por um atacador de cor acastanhada. A parte de dentro do cano, é guarnecida com uma tira de cabedal, à volta da boca e de cada um dos lados da abertura. Sobre a boca, atrás, ao centro, uma presilha de cabedal. Sob a abertura, uma língua independente, de formato lobular.

Chancas de Seia/Sabugueiro
Datação: XIX d.C. - XX d.C.

Matéria: Madeira (amieiro); Metal; Couro

Dimensões (cm): altura: 18,5; largura: 9; comprimento: 26,5;

Descrição: Soco de rasto de madeira de amieiro e gáspea de couro atanado - curtido em casca de carvalho em pó conferindo-lhe uma cor creme escura. O rasto apresenta salto, enfranque e pata. O salto é alto. O enfranque é curvilíneo, em continuação com a pata. Esta apresenta um bico de formato redondo. A união entre rasto e gáspea é guarnecida com tira de cabedal pregada, equidistante, a toda a volta, com pregos metálicos de cabeça larga e batida. A gáspea é muito subida, fazendo cano. É de uma única peça. Esta inicia-se no lado interior da chanca, junto ao início do enfranque. Daí, segue em arco convexo ascendente até ao centro da largura, de onde parte um corte rectilíneo para cima, constituindo uma das abas da abertura. Segue assim os contornos do rasto, indo terminar numa outra aba, justaposta à anterior. Esta extremidade, entra sob o arco inicial da outra extremidade, apresentando aí duas costuras espaçadas, executadas a linha grossa de cor castanha. Tais costuras seguem os contornos no arco e estendem-se até à abertura da chanca. Cada aba apresenta cinco furos dispostos equidistantes no sentido da altura. São atravessados por uma fina fita de couro - atacadores. Interiormente, surge uma língua, cosida sob a abertura da gáspea. Na extremidade oposta à abertura, junto à boca, ao centro, surge uma presilha no mesmo material, em laço. Na zona do calcanhar, um talão de formato semicircular, cosido superiormente à gáspea. Tal costura é executada a fio grosso de cor creme e é visível no exterior.

Chancas da Calheta
Datação: XIX d.C. - XX d.C.

Matéria: Madeira (cedro); Cabedal; Metal (ferro); Metal

Dimensões (cm): altura: 22; largura: 11; comprimento: 31;

Descrição: Chancas (par) com rasto em madeira de cedro. Este é constituído por salto, enfranque e pata. O salto é alto e afunilado. O enfranque é contínuo com a pata, sendo esta de ponta levantada. Todo o perímetro do rasto é percorrido por uma espécie de ferradura de ferro, com cravos de espaço a espaço. Apresentam talão e gáspeas em cabedal branco. O talão é alto, afunilando à medida que se encaminha para a parte anterior do pé. Aí, divide-se em dois, formando duas abas. São ambas furadas com cinco ilhós metálicas, pelas quais passa um atacador do mesmo cabedal. A união entre gáspeas, talão e o rasto é efetuada por meio de uma tira de cabedal de cor castanha, pregada de espaço a espaço.

Fonte: O Trajar do Povo em Portugal
Outros artigos relacionados: Chinelas Minhotas; Alpercatas-Açores; O Calçado Tradicional; Tamancos e Socos Entre Douro e Minho; Pé Descalço; Socas barrosãs já não ressoam na calçada - Montalegre;

sexta-feira, Abril 04, 2014

Regulação da relação do povo com a Igreja pelo poder politico


Tude de Sousa, em “Gerez” (1927), espelha a relação do povo serrano com a religião católica, bem como, as praticas não reconhecidas pela igreja, em que cada freguesia teria um livro que regulava as relações com o próprio pároco.

Por outro lado, revela a regulação pelo poder politico da relação entre o povo e a religião, nomeadamente as Câmaras Municipais, através de posturas, assegurando assim o prestigio da religião.

Será curioso observar do Código de Posturas Municipais do Concelho de Terras de Bouro (1853) as seguintes “Providências sobre a observância da nossa Santa Religião Católica Romana”, que se transcreve:

“Artigo 1º - Toda a pessoa, que na ocasião da missa estiver falando, ou de qualquer modo perturbar os assistentes, comete falta de respeito à Religião, e incorre na disposição do (ponto) 2º do artigo 130º do Código Criminal.

Artigo 2º - Toda a pessoa que, cabendo na igreja ou capela, ficar fora da porta a ouvir Missa, ou inquietando quem entra, pagará duzentos réis.

Artigo 3º - Ninguém trabalhará com bois e carros nos domingos e dias santificados (excepto em urgentíssima necessidade), nem se empregará em outras obras servis que não sejam permitidas por costume legítimo, nem tão-pouco venderá objectos que não sejam de indispensável e quotidiana necessidade, e quem o fizer pagará por cada vez quinhentos réis.

Artigo 4º - Todos os chefes de família e tutores mandarão seus filhos, criados e tutelados à doutrina, e aquele que contravier, sem justa causa, esta disposição pagará por cada vez seiscentos réis, excedendo as faltas a cinco cada ano”.

O povo, ainda que crente no divino, não abandou completamente as suas práticas de origem pagã, sendo necessário a intervenção do poder politico para salvaguarda da igreja católica. Esta interligação vai manter-se até ao fim do Estado Novo.

A CROÇA III

Publico hoje mais um artigo, de uma série de 6, sobre o fabrico da croça de junco da autoria da Prof.ª Dr.ªDaniela Araújo.

As cordas da croça permitem manter a estabilidade da peça. Na primeira carreira (Imagem 10) as cordas são feitas de três em três pontos.

Imagem 10
Em cada ponto onde se faz uma corda, esta é executada com os juncos que estão voltados para o interior da croça, ou seja, com aqueles que formam o forro da peça. Como já foi explicado anteriormente, em cada ponto, os juncos são dobrados ao meio: a base do junco fica para o exterior da croça; a parte superior do junco fica voltada para o interior da croça. Na Imagem 11 podem ver-se os juncos correspondentes ao ponto onde se fez a corda: os que estão entrançados (forro da peça) e os que não estão entrançados (exterior da peça). Isto significa que as cordas nunca são visíveis no exterior da croça.

Imagem 11
Na imagem 12 podem ver-se as extremidades dos juncos no ponto onde se fez uma corda: do lado esquerdo da imagem as extremidades inferiores dos juncos (que foram delubadas e massadas); do lado direito, as extremidades superiores dos juncos (algumas ainda contendo flores).

Imagem 12
Artigos relacionados: "A Croça I- Montalegre", "A Croça II"
 
Fonte: Uma Ovelha no Quintal

terça-feira, Abril 01, 2014

Vilarinho das Furnas - Minho


Vilarinho das Furnas foi uma aldeia comunitária, cujas origens se perdem nas brumas da memória, desconhecendo-se a sua antiguidade. Encontra-se a primeira referência a Vilarinho, no Tombo da Igreja de São João do Campo, de 1540, bem como os Arquivos Paroquiais, a partir de 1623. Parece que chegou a ser uma freguesia autónoma do concelho de Terras de Bouro, tendo, posteriormente, passado a ser uma aldeia da freguesia de São João do Campo. E sabe-se que era a última povoação por que passava a célebre “Geira” antes de entrar na Galiza, a antiga via militar romana entre Braga e Astorga.

Era uma aldeia da freguesia de Campo do Gerês, situada no concelho de Terras de Bouro, no distrito de Braga. Desde 1971 que esta aldeia está submersa pela albufeira da barragem de Vilarinho das Furnas. Contudo, quando a barragem é esvaziada para limpeza ou quando desce o nível das águas em períodos de seca, podem ver-se ainda as casas, os caminhos e os muros da antiga aldeia.

Na evolução humana, a organização comunitária corresponde a um ciclo cultural resultante da passagem do pastoreio nómada à agricultura sedentária. Em Vilarinho da Furna conservou-se, até 1971, uma organização comunitária bastante perfeita, amplamente estudada pelo prof. Jorge Dias (1907-1971), resultando na sua tese de doutoramento em Etnografia na Universidade de Munique e na monografia “Vilarinho das Furnas, Uma Aldeia Comunitária”, reeditada em 1981.

Inspirado nesse trabalho, o realizador António Campos realizou um documentário sobre esta aldeia, resultado do acompanhamento diário da vida deste povo durante 18 meses, numa fase em que a aldeia já se sabia condenada.

O documentário apenas seria tornado público em 1971, já a aldeia tinha sido engolida pelas águas da barragem.

É este o documentário que público. Tem cerca de uma hora, mas é um documento histórico impar da extinção de uma comunidade.
 

quarta-feira, Março 26, 2014

Chinelas Minhotas



Chinela Minhota Preta - Viana do Castelo

Datação: Séc XX (?)
Matéria: Couro preto, algodão, material sintético
Técnica: Curtimenta, polimento e bordado
Dimensões (cm): altura: salto 4; comprimento: 25;
Descrição: Chinela de lavradeira, para o pé esquerdo, sola ponteada, gaspea preta bordada a ponto lançado com flores policromas, galo, nozinhos boca arredondada, as orelhas morrem junto ao calcanhar. Forro de material sintético. Este tipo de chinela, era usado com os fatos de romaria e festa.

 
Chinela Minhota Vermelha - Viana do Castelo

Datação: Séc XX (?)
Matéria: Lã, couro, algodão vidro e metal
Técnica: Tafetá, curtimenta, bordado, missanga e estampagem de metal
Dimensões (cm): altura: salto 4,8; comprimento: 25;
Descrição: Chinela de lavradeira, para o pé direito, sola em bico, gaspea de tecido vermelho inteiramente bordada com motivos florais policromos, a ponto lançado, galo e bordado de fio laminado metálico dourado enrolado, missangas e lantejoulas prateadas. Salto revestido a tecido também vermelho bordado e com bordado aplicado. No interior, palmilha e forro de pele branca (pelica). Estes chinelos, usavam-se com o fato de romaria e festa. No lado interior, tem escrito o nº 19. O bordado é de muito boa qualidade.

 

Chinela Minhota – Guimarães
 
Datação: 1901 d.C. - 1950 d.C.
Matéria: Couro; lã
Dimensões (cm): largura: 9,8; comprimento: 22,5;
Descrição: chinela em couro preto de biqueira redonda, de sola e tacão em madeira. É pespontada à frente com fio de algodão de tons verde, vermelho e branco em motivos fitomórficos.
Origem / Historial: A peça pertence ao Grupo Folclórico da Corredoura fundado em 1956 na freguesia de S. Torcato, concelho de Guimarães. Sendo um dos mais antigos agrupamentos etnográficos é representativo de um tipicismo local, e teve desde os primeiros momentos a seu cargo um verdadeiro trabalho de pesquisa e recolha de costumes, tradições e peças de vestuário da sua região.

 

Chinela Minhota

Datação: XX d.C.
Matéria: Couro, madeira
Dimensões (cm): largura: 9,0; comprimento: 25,0;
Descrição: Par de chinelas femininas de couro preto, ornadas com bordado, de inspiração vegetalista, formando flores e folhagem, em tons de beje e vermelho. O interior é forrado com uma palmilha branca com orifícios decorativos. O tacão é em madeira.


 
Chinela Minhota - Viana do Castelo / Perre

Datação: XIX d.C. - XX d.C.
Matéria: Cabedal; Metal
Dimensões (cm): altura: 4,5; largura: 9; comprimento: 25;
Descrição: Chinelas (par) com rasto e gáspeas em cabedal. Apresentam uma biqueira aguçada e levemente levantada. O rasto é constituído por salto, enfranque e pata. O salto é baixo e afunilado. O enfranque é levemente espinhado, sendo que não apresenta descontinuidade com a pata. As gáspeas são de crute envernizada a cor preta. Cobrem a parte anterior do pé mas vão diminuindo progressivamente a sua altura, terminado um pouco antes da zona do salto. À frente, ao centro, junto à orla superior das gáspeas, surge uma pequena fivela metálica de tom dourado, ovóide. No interior das chinelas, a face superior do rasto é forrado com cabedal de cor branca.

 
 
Chinela Minhota - Viana do Castelo / Perre

Datação: XIX d.C. - XX d.C.
Matéria: Cabedal; Metal
Dimensões (cm): altura: 4,5; largura: 9; comprimento: 25;
Descrição: Chinelas (par) com rasto e gáspeas em cabedal. Apresentam uma biqueira aguçada e levemente levantada. O rasto é constituído por salto, enfranque e pata. O salto é baixo e afunilado. O enfranque é levemente espinhado, sendo que não apresenta descontinuidade com a pata. As gáspeas são de crute envernizada a cor preta. Cobrem a parte anterior do pé mas vão diminuindo progressivamente a sua altura, terminado um pouco antes da zona do salto. À frente, ao centro, junto à orla superior das gáspeas, surge uma pequena fivela metálica de tom dourado, ovóide. No interior das chinelas, a face superior do rasto é forrado com cabedal de cor branca.

 
Fonte: Trajar do Povo em Portugal

domingo, Março 23, 2014

Traje de Saloia - a carapuça - finais sec.XVIII/início sec.XIX

Na região saloia, existiu uma peça da indumentária feminina cuja reminiscência só nos chega através de vários relatos e imagens pictóricas de viajantes portugueses e estrangeiros que debandaram estas bandas, a “carapuça”, pois, ao que tudo indica, não terá subsistido qualquer exemplar até aos nossos dias.

Guilherme Felgueiras descreve a saloia dos finais sec. XVIII/início sec. XIX da seguinte forma:
Entre 1790 e 1826 era ver a saloia pelas ruas de Lisboa vendendo queijos, ovos, galinhas e primores dos hortejos e pomares. Veste saia de seriguilha, pouco rodada e curta, de cor fulva (cor avermelhada/mogno) e barra escarlate, que sofraldava em refegos e arrepenhos para melhor se acomodar nos albardões dos pacientes jumentos que a conduzia até à cidade.

Cingida ao corpo, a modelar-lhe o busto e a soerguer-lhe os seios firmes, a vasquinha, de tons flamantes, púrpura ou alaranjado, com bandas de cetim azul-pavão, toda fechada até ao pescoço; mangas terminando a 2/3 do braço, botões nos punhos e peito.

De inverno usa mantéu de baetão verde, de rebuço e sem pregas, tendo como atavio o debrum carmesim. Calça botas de cano alto, de cabedal escuro, ou de coiro atanado, grosseiro e crespo.

Saloios na Estrada - Alfredo Roque Gameiro

Mas o mais bizarro deste trajo era a “carapuça”. Espécie de gorra alta, afunilada, ligeiramente recurva para diante e adornada na frente com tecido de cor garrida. Era calcada com um lenço branco, por sua vez sobreposto por um outro lenço de cabeça. A saloia aconchegava-o à cara, apertando-o a meio, dobrava-o na diagonal e atava-o graciosamente sob o queixo, em duas laçadas pendentes.


Fonte: Guilherme Felgueiras – Dois originais complementos do trajo saloio oitocentista (A “carapuça” da aldeã e a “cartola” do campesino) – Colóquio  sobre Folclore, Lisboa, 1978.