sexta-feira, dezembro 26, 2008

Trajo dos Jornaleiros – Zebreiros - Gondomar

Só a vegetação, o rio, a calmaria..., são o suficiente para dar ao lugar de Zebreiros e à Freguesia de Foz do Sousa (Gondomar), uma beleza inconfundível e rara.

Mas Zebreiros não permite que sua beleza se resuma à beleza natural. Há a beleza da sua população, manifesta na sua alegria e no seu desejo em preservar aquilo que o Homem aliou à Terra: os cantares, as danças, o labor. E é isto que o Rancho Folclórico de Zebreiros efectivamente concretiza: a manifestação extraordinária dos usos, costumes e tradições bem como da sua conservação, através de um imenso profissionalismo desenhado pelo sorriso dos elementos que o integram.

O Rancho Folclórico de Zebreiros é, como alguém disse" um dos mentores de um vasto e rico património cultural, que lhe foi legado pela tradição".

O trajo que vos apresento é o dos Jornaleiros, ou seja, dos trabalhadores contratados para efectuarem trabalhos agrícolas específicos, à jorna, nomeadamente, para a ceifa.

O homem vestia calças de cotim, camisa de riscado, faixa, tamancos, chapéu de palha e mangual para malhar o milho.

A mulher usava blusa de linho, saia de fazenda, saiote vermelho, colete de fantasia em algodão, lenço em algodão, socos e chapéu de palha enfeitado com flores do campo. No entanto em vez de uma faixa é utilizada uma corda, que servia para amarrar os molhos.

quarta-feira, dezembro 24, 2008

segunda-feira, dezembro 22, 2008

Trajo Domingeiro - Barbeita - Monção

Barbeita é uma populosa freguesia do Concelho de Monção, situando-se a 7 km da sede do Concelho, é banhada pelo Rio Minho.

O Rancho Folclórico da Casa do Povo de Barbeita é um dos mais representativos do Alto Minho Interior, cujas origens remontam a 1959.

A indumentária que vos apresento é pertença desse grupo e representa o modo de trajar dos homens e mulheres aos Domingos, dias especiais, já que, livres das obrigações laborais, havia mais tempo para o convívio social.

As mulheres, usavam lenço cachenê com vários tons, azul, verde ou roxo. Saia preta com barras verdes ou azuis na parte inferior, adornada com vidrilho e lantejoulas pretas.
Avental de lã, bordado com motivos do campo, em várias cores, predominando o azul, verde, amarela. Colete com barra da cor da saia e avental. Camisa de linho bordada a branco nos ombros, peito e punho. Lenço de amor bordado a azul ou verde.Meia rendada com pé e socos pretos.

O trajo do homem era constituído por chapéu preto com aba, camisa de linho bordada a branco, por vezes a vermelho suave. Colete ou jaqueta e calça de fazenda preta. Faixa da mesma cor a cingir a cintura e calçava bota ou sapato preto.


segunda-feira, dezembro 15, 2008

Encerramento da Exposição

A exposição “Trajes de Portugal – Cultura e Tradição” encerrou no passado dia 8 de Dezembro.
Se o mau tempo prejudicou a inauguração, o encerramento foi bafejado com algum sol, embora o frio se fizesse notar.
No entanto, o calor humano não faltou, já que muitos foram os visitantes que aproveitaram este ultimo dia para visitar a exposição, além da presença de dois ranchos folclóricos do Concelho de Oeiras, que animaram a tarde, Rancho Folclórico “As Lavadeiras da Ribeira da Laje” e Rancho Folclórico Flores da Beira.
Em jeito de balanço final, podemos dizer que a exposição foi vista por cerca de 470 visitantes e 100 crianças da pré-escola e do 1º ciclo de Vila Fria, o que para a organização se revelou um sucesso, já que o tempo não convidava a sair de casa e uma exposição sobre trajes nem sempre é considerado um programa apelativo.
Foi uma boa experiencia, fica a promessa de novos projectos.
A todos os que colaboraram nesta iniciativa os nossos agradecimentos.
Imagens da actuação do Rancho Folclórico “As Lavadeiras da Ribeira da Laje”


Imagens da actuação do Rancho Folclórico Flores da Beira

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Concerto dos OpenVoice

No dia 6 realizou-se um concerto dos OpenVoice, um grupo coral muito novo, mas com vozes muito promissoras, que fizeram o favor de preparar um reportório de musica portuguesa especialmente para a ocasião.
Foi fenomenal.
A qualidade dos filmes não os favorece (antes pelo contrário), mas aqui fica o destaque.
Aos OpenVoice os nossos agradecimentos.





video

video

video

domingo, dezembro 07, 2008

Colóquio “O nosso traje …”

No passado dia 5 realizou-se um Colóquio subordinado ao tema “O nosso traje …” com a presença de elementos de 5 ranchos do Concelho de Oeiras, que fizeram uma apresentação dos seus trajos.
Foi uma noite muito interessante de troca de experiências e onde se aprendeu muito sobre o passado e o modo de trajar.

Paulo Almeida – Rancho Folclórico Flores da Beira

Fernando Silva – Rancho Folclórico “As Macanitas” de Tercena

Mónica Pereira – Rancho Folclórico “Os Minhotos” da Ribeira da Laje

Virgílio Reis – Rancho Folclórico “As Lavadeiras da Ribeira da Laje”

Joana Meireles – Rancho Folclórico “Os Rancheiros” de Vila Fria

O debate foi mediado por Carlos Cardoso

Crianças do Pingolé visitam exposição de trajes

Os meninos da pré-escola do infantário Pingolé, de Vila Fria, visitaram a exposição de trajes e mostraram-se muito interessados por tudo o que lhes era mostrado.
Tiveram oportunidade de conhecer utensílios de outros tempos e sentiu as diferentes texturas dos tecidos. Mas o que fez maior sucesso foi a oportunidade de ver fazer farinha de trigo e de poderem mexer no cereal já moído.
Fizeram muitas perguntas e todas tiveram uma resposta.Obrigado pela vossa visita e participação.

terça-feira, dezembro 02, 2008

Programa Cultural da Exposição

Dia 5 – 21 horas
Colóquio subordinado ao tema “O nosso trajo…”,
com a participação de:
Rancho Folc. “As Macanitas” de Tercena
Rancho Folc. Flores da Beira
Rancho Folc. “Os Minhotos” da Ribeira da Laje
Rancho Folc. “As Lavadeiras da Ribeira da Laje”
Rancho Folc. “Os Rancheiros” de Vila Fria
Dia 6 – 21 horas
Concerto Open Voice, Musica Tradicional Portuguesa
Dia 7 – 16 horas
Actuação do Rancho Folclórico de Trajouce
Dia 8 – 16 horas
Rancho Folclórico Flores da Beira
Rancho Folclórico “As Lavadeiras da Ribeira da Laje”
Encerramento da Exposição

segunda-feira, dezembro 01, 2008

Inauguração da Exposição

Como prometido é devido, aqui estão as primeiras imagens da exposição inaugurada ontem.
Espero que gostem e que venham visita-la.

video

terça-feira, novembro 25, 2008

Caros Amigos

Antes de mais, as minhas desculpas por não estar a actualizar este blog com novos artigos, mas devido à organização da exposição que anunciei anteriormente não tenho tido tempo para pesquisar nem para escrever.
No entanto, para que possam começar a visualizar a exposição, fica aqui a imagem de um dos muitos trajos expostos, mais precisamente, dos pastores da Serra da Estrela.
Fica também o convite para uma visita.
Atenciosamente,
Carlos Alves Cardoso

sexta-feira, novembro 07, 2008

Exposição "Trajes de Portugal – Cultura e Tradição"



O Grupo Cultural de Vila Fria apresenta, entre 30 de Novembro e 8 de Dezembro, a exposição Trajes de Portugal – Cultura e Tradição, que decorrerá na sua sede social, em Vila Fria, Porto Salvo.
Esta exposição tem como objectivo a divulgação da riqueza e beleza dos trajes tradicionais portugueses, do período compreendido entre meados do sec. XIX e inicio do sec. XX, e poderão ser vistos cerca de 50 trajos das várias regiões de Portugal continental.

Neste blog serão disponibilizadas imagens da exposição, para que mesmo distantes a possam visitar.

Quem reside na região de Lisboa pode visitar a exposição nos seguintes horários:

2ª a 6ª feira das 18 às 21 horas
Sábados, Domingos e Feriados das 14 às 21h

A exposição será inaugurada no dia 30, pelas 14 horas, pelo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Dr.Isaltino Morais.

Estão ainda previstas algumas actividades, das quais destacamos, a realização de um colóquio, no dia 5 de Dezembro, pelas 21 horas, subordinado ao tema “O nosso trajo…”, que será apresentado por elementos dos vários ranchos do Concelho, que falarão sobre um dos seus trajos.

A não perder!

sexta-feira, outubro 31, 2008

Tamancos e Socos - Entre Douro e Minho

Segundo alguns autores, terá sido na região de Entre Douro e Minho a área primitiva do aparecimento do calçado de pau em Portugal.
Existiu em Guimarães uma confraria dos sapateiros, sob a evocação de Santa Maria, cuja constância no tempo vem desde o século XIII e se projectara numa continuidade admirável sob o título abreviado de Irmandade de S. Crispim, tendo sido fundada em 1315 pelos sapateiros João Baião e Pedro Baião.
Uma sátira em verso do séc. XVIII, que define os habitantes de Entre Douro e Minho, faz-se referência ao calçado de pau.
“Homem de Entre Douro e Minho
Calça de pau e veste linho,
Bebe vinho de enforcado,
Traz o porco escangado,
Foge dele como do diabo.”
Se bem que em tempos passados o povo tivesse andado descalço, este calçado impunha-se como meio de protecção na realização de alguns trabalhos agrícolas, tendo por isso os seus melhores defensores na gente da lavoura.
Feito de pau de amieiro e um pouco de couro, este calçado humilde tem também a sua história.
Popularmente, os tamancos têm as designações de socos e taroucos. Se a pessoa que os usava era uma mulher, os tamancos eram designados por tamancas, os socos por socas, e os taroucos passavam a ser taroucas.
A propósito deste assunto, José Leite de Vasconcelos, o mestre da etnologia, refere que “as mulheres usam tamancas ou socas, que são menores e mais apuradas do que os tamancos, mas com sola de madeira”.
De qualquer forma, o tamanco era mais usado pelo homem e o soco mais usual na mulher, sendo inquestionável que este foi o calçado dos pobres, sem esquecer que também os ricos o usaram em muitas emergências do tempo e da fortuna.
As próprias condições físicas do terreno foram as inspiradoras do artífice tamanqueiro. Nas terras do litoral, o pau do tamanco é raso. No interior, o tamanco começa a arquear a biqueira. Já nas terras bravas das serras, o tamanco arqueia ainda mais, cingindo o couro mais ao pé, para melhor se acomodar ao terreno e à marcha.

As oficinas dos tamanqueiros situavam-se sobretudo nas recônditas aldeias. O tamanqueiro talhava as peles (de couro para os socos de homem e de crute para os socos de mulher), e pregava-as aos paus. Utilizava moldes de cartão grosso para cortar as peles e uma forma para fixar o cabedal ao pau de amieiro através de tachas. O artífice percorria as aldeias em busca do amieiros, que só podia ser cortado nas quadras da lua. O fabrico do tamanco era sobretudo um trabalho de Inverno, pois aproveitavam as Feiras de Verão para vender os seus produtos.
Os socos não eram só para uso no trabalho, mas também aos domingos, dias de festa e mesmo para certos actos de maior importância, como casamentos. No caso dos actos cerimoniosos, eram muitas vezes usados socos feitos de melhores matérias e acabamentos mais luxuosos, mas como eram dispendiosos apenas estavam ao alcance de uma pequena minoria. Ainda assim, muitas vezes durante o trajecto para um acto cerimonioso ou na deslocação para uma povoação, o soco era mantido debaixo do braço para não se estragar e só à chegada o calçavam.
A seguir descrevem-se alguns tipos de socos:


Soca Curta – Soca de bico arredondado, salto baixo, e em que as pontas dos “cortes” terminam próximo da quina do salto. Os paus podem ser pintados de preto ou à cor natural, sendo forrada no interior. Este é um modelo muito popular mesmo noutras regiões.
Soca Inteira – É um tipo de soca, de mulher, mais fechada, em que as “orelhas” dos “cortes” se juntam atrás sobre o salto, ficando acima deste cerca de 2 cm. O bico é arredondado e o salto alto. Sendo forrada internamente com uma palmilha.

Soco Rebelo – As orelhas dos cortes são mais altas do que no soco poveiro, juntando-se atrás sem se sobreporem. Neste tipo de soco, a forma é metida a maço e os cortes batidos e alisados com o cabo do martelo, a fim de se conseguir a curvatura do bico, que é a sua principal característica.

Soco Poveiro – É o soco, para homem, mais vulgar da região. O seu nome deve-se a ter sido a Póvoa do Varzim o seu presumível difusor. Soco de ponta redonda, em que as orelhas dos cortes se juntam atrás sem se sobreporem, ficando acima do salto cerca de 3 cm. É mais aberto que o soco rebelo. Como todo o tipo de soco para homem, o pau é de cor natural e sem palmilha no interior.
Chanca Rebela ou de Ponte de Lima – Fabrica-se de couro atanado dividido em duas peças denominadas “gáspea com biqueira” e “cano” ou “talão”. O “cano” ou “talão” é sobreposto à “gáspea”, fechando a frente através de um cordão de couro. A ponta é bicuda e um pouco arredondada. Antigamente eram feitas a partir do aproveitamento da botas velhas, às quais mandavam aplicar os paus.

segunda-feira, outubro 27, 2008

Técnica dos Bordados da Ilha da Madeira

Actualmente o desenho é criado por um desenhador criador de bordados ou adaptado por um técnico desenhador; depois é colocada uma chapa sobre o original e são picotados os desenhos com uma máquina própria de picotagem.
Com a chapa sobre o tecido a bordar, usa – se uma pasta à base de parafina, azul e petróleo e estampa-se no pano. O pano é então passado à bordadeira, que executa a arte final (bordado).
As peças bordadas, de seguida são lavadas e passadas a ferro. Os recortes são feitos de seguida nos trabalhos que englobam motivos abertos. Depois a peça é engomada, dobrada e, por fim, embalada.
Os pontos mais utilizados nos bordados da Madeira são: caseado (Fig.5), cavaca, richelieu, arrendados, oficial, bastidor, cordão, pé de flor, francês, de sombra e o ponto de remendo. Como derivados existem o ilhó e a folha aberta.

O ponto caseado difere do “cordão” pelo nó produzido no cruzamento da linha de forma a assegurar a área de recorte; o ponto cavaca (Fig.8) é de figura geométrica circularexecutada em “ponto cordão” (Fig.6) com aberturas recortadas; o richelieu consta do “ponto caseado” quando utilizado nos contornos de motivos para recorte sobre tecidos de textura pesada; os pontos arrendados “Ana”, “Crivo”, e “Escada” (Fig.7) são pontos executados mediante a contagem e retirada de fios no tecido tanto na vertical como na horizontal e enlaçados com linha de acordo com a respectiva espécie. O ponto oficial é o “ponto cordão” quando utilizado nos contornos de motivos para recorte sobre tecidos de textura leve; o ponto bastido (Fig.9) é um ponto utilizado nos contornos de desenho cuja configuração exige determinado relevo; o ponto de cordão é o ponto utilizado nos contornos de desenho cuja configuração não obriga a recorte, quando sugere “caules” toma o nome de “pau”; o ponto pé de flor ou de corda para ser perfeito necessita de uma grande regularidade na dimensão dos pontos simples e que a distância entre a entrada e a saída da agulha seja sensivelmente igual; o ponto francês é utilizado para contornar e prender aplicações de outro tecido, necessita de execução cuidadosa para se obter o melhor efeito; o ponto de sombra só é utilizado nos tecidos transparentes – cambraias e casas o que implica muita delicadeza na realização do trabalho. Toda a linha é aplicada com efeito decorativo pelo que os pontos do direito contornam a figura enquanto os do avesso se destinam a sombrear a respectiva área; é necessário que a linha do reverso cubra o melhor possível a área da figura desenhada; finalmente o ponto de remendo é quase um ponto de costura e é muito utilizado para prender aplicações de outros tecidos.
A criação de bordados, contagem técnica dos pontos, estampagem, colorido, registo é feito na fábrica de bordados. Há um “agente” da fábrica que se responsabiliza pela distribuição dos bordados às bordadeiras, especialmente na zona rural. A bordadeira executa este trabalho domesticamente e volta à fábrica para pagamento e acabamentos. Nas fábricas existem empregados e operárias. São estas operárias que preparam a estampagem e os acabamentos. O sistema de comercialização principal é pelo “mostruário” das peças executadas, ou pela sugestão dos “clientes”.

Os preços da mão-de-obra são feitos a partir de “contagem” do desenho, a saber: todas as espécies de pontos usados nessas peças têm uma base calculada por unidade ou por metro.
Por exemplo, por cada “pétala” bordada entre um tamanho mínimo e o máximo desenhado, é contado um “ponto industrial”.
Acima da área máxima para um ponto ajusta-se a percentagem.
Um metro de “caseado liso” conta 60 “pontos industriais”, e assim outros têm cálculos compatíveis.
Uma vez tomadas as quantidades dos “pontos industriais”, estes são multiplicados por uma base legal e acha-se o preço a ser pago pela peça. Note-se que os “pontos industriais” nada têm a ver com os pontos que a bordadeira dá.
Os bordados clássicos são ainda desenhados em papel vegetal, picotado numa chapa sobreposta ao original e estampados com pasta azul.
Os bordados modernos são preparados pelo mesmo processo dos clássicos, mas o tipo de desenho é mais simples, permitindo os coloridos.
Tanto o bordado antigo como o bordado clássico, se forem genuínos, não comportam colorido. Devem ser brancos tanto o pano como a linha que o borda.

No bordado clássico usam-se linhos brancos ou crus para os brancos, o bordado deve ser em linha branca ou azulada. Nos bordados sobre linho cru, a linha deve ser de uma só cor que vai desde o bege ao tom do pano e deste ao castanho-escuro.
A beleza do desenho salienta-se pelo recorte das partes abertas dos motivos, ficando os bordados apenas como contorno ou motivo de composição. O desenho clássico não é descritivo. Ele sugere no pano a ideia artística.
No entanto, por evolução e gostos comerciais, passou a descrever-se motivos e a usar-se nesses desenhos várias cores. Usam-se cores garridas nessa tentativa e como esse tipo de desenho é quase barroco, no todo faz efeitos agradáveis.
Quem pesquisar com cuidado o desenho clássico genuíno entenderá facilmente que este só permite uma cor.

Os trabalhos modernos são feitos de organdi, cambraias e tecidos leves, ou muitas vezes com aplicações, que são decorrências do meio bordador e de influência de mercados. Usam-se cores “pastel”, delicadas e harmonizadas. Não podemos classificar este tipo de bordado como um verdadeiro Bordado da Madeira, mas aceita-se o facto de ser Bordado da Madeira.
Desde 1938 é obrigatório que o bordado para venda disponha de um selo de garantia, por isso, quando comprar bordados da Madeira, procure o selo de garantia.
Referência Bibliográfica:
Paulo Fernando Teles de Lemos Silva, Bordados tradicionais portugueses, Dissertação de Mestrado em Design e Marketing - Área de Especialização em Têxtil, Universidade do Minho, 2006
Se quer aprender mais sobre o bordado da Ilha da Madeira visite a Fabrica de Bordados Oliveiras

sexta-feira, outubro 24, 2008

História do Bordado da Ilha da Madeira

O bordado faz parte da cultura e História dos madeirenses. Tal como sucede com o vinho, é uma das marcas que os identifica. A sua presença suplanta as barreiras naturais do arquipélago para se postar em mesa ou cama rica.
Foi executado em meio pobre, mas quase sempre solicitado para em mesa ou cama nobre.
O bordado está presente na ilha desde os primitivos tempos da ocupação. A tradição de bordar, do local de origem dos povoadores, acompanhou-os na travessia atlântica e instalou-se no novo espaço. Deste modo borda-se na ilha desde o início do povoamento. Bordava-se em linho, algodão, seda e organdy para se fazerem toalhas de mesa, peças decorativas, jogos de cama e peças de vestuário, nomeadamente feminino. A leitura de alguns testamentos revela-nos que muitas daquelas peças de vestuário passavam de pais
para filhos, não apenas pelo valor sentimental, mas também, pela raridade e riqueza do bordado.
Era trabalho de inestimável valor que, por isso mesmo, não podia ser vendido, apenas era de usufruto familiar, prenda de enxoval ou legado por morte. Por muito tempo o bordado foi considerado um produto não vendável, que raramente saia do circuito familiar.

O bordado como mercadoria de exportação com peso evidente na economia da ilha tem pouco mais de cento e cinquenta anos, mas o mesmo bordado está presente desde os tempos do povoamento do arquipélago na casa dos madeirenses.
Durante este silêncio de mais de trezentos e cinquenta anos a madeirense bordava de portas adentro para compor o seu enxoval ou para presentear os parentes e amigos. A assiduidade da presença de estrangeiros na ilha, de passagem ou em actividade de negócios e o seu interesse evidente pelos usos e costumes propiciou a revelação do quotidiano madeirense e a valorização do trabalho artesanal, como as flores, as rendas e o bordado.
A partir do século XVIII esta assiduidade dos europeus aumenta e prolonga-se o período de estadia. Aos aventureiros e mercadores, juntam-se agora os cientistas e, acima de tudo, os doentes da tísica pulmonar que buscam no clima ameno da ilha na época invernal o alívio para a doença. Ao Funchal acodem muitas personalidades de destaque na sociedade europeia de então. Os registos de entrada da alfândega e, por vezes, os jornais referem-nos a presença de aristocratas, príncipes, escritores, cientistas. Foram estes que em estâncias demoradas em casas e quintas dos madeirenses descobriram o segredo dos lavores guardados portas adentro, apaixonando-se pelo lavor das mulheres que os fizeram.
A notícia correu de boca em boca e rapidamente o bordado saiu do casulo familiar para se transformar numa forma de apoio à subsistência de muitas famílias. As bordadeiras retiram das arcas os desenhos das peças herdadas e fazem delas autênticas obras de arte, que vendem à chegada dos estrangeiros ao porto ou de porta em porta das casas e quintas onde estes se alojam. A fama do trabalho da agulha das madeirenses encantou aristocratas e burgueses europeus e rapidamente se entendeu que estava aqui uma mais-valia para os negócios. Por mão de uma mulher, Miss Phelps, o bordado singrou no mercado britânico. Não foi esta donzela britânica quem descobriu ou criou o bordado madeira a partir de 1856. A ela apenas se deve a promoção do bordado no mercado londrino e o facto de ter procurado adaptar os padrões bordados ao gosto dos clientes.
O Funchal de meados do século XIX era uma cidade cosmopolita. Nas suas ruas cruzam-se cidadãos de diversas nacionalidades, nomeadamente britânicos e alemães. A disputa entre as duas potências pelo domínio do Atlântico passa também pela Madeira. Até então os britânicos dominavam quase por completo o mercado madeirense, que começaram a perder com a independência dos Estados Unidos da América. A estes seguiram-se os alemães a partir de 1880 que passaram a intervir de forma directa no comércio e produção do bordado.
A sua entrada foi o élan necessário para a completa renovação e afirmação do bordado não apenas no mercado alemão, mas também no norte-americano.
Os alemães trouxeram as mais significativas inovações tecnológicas para o sector e alteraram por completo o processo de produção do bordado. A bordadeira passa a assumir apenas a função de bordar, sendo-lhe impostos os panos, os linhos e os desenhos. Esta mudança implicou a o aparecimento de novos intervenientes no processo e à afirmação das imponentes casas de bordados na cidade. As vetustas casas de vinho e até mesmo alguns hotéis mudam de inquilino e de funções. A partir do último quartel do século dezanove o bordado é uma das principais riquezas, enquanto o vinho agonizava vítima do oídio e filoxera.
O século XIX anunciou-se como a época dourada do bordado madeirense.
Apenas os conflitos mundiais e a concorrência de outras áreas fez perigar esta esperança dos madeirenses. A primeira Guerra Mundial afugentou os alemães mas trouxe os sírios que contribuíram, ainda que por pouco tempo, para o reforço do mercado norte-americano. As dificuldades dos anos vinte afugentaram os sírios, mas não acabaram com o bordado. Isto foi o princípio do retorno do bordado às mãos dos madeirenses.
O bordado Madeira, perante as dificuldades evidentes de um mercado limitado e exigente, não agonizou, antes pelo contrário soube vencer as dificuldades, diversificando os mercados e ajustando-se às exigências dos clientes. A inovação esteve sempre presente no historial do bordado a partir dos anos oitenta. Esta situação continuou até aos dias de hoje e as novas tecnologias e o Design entraram como tábua salvadora da tradição de bordar no novo milénio. Em todo este processo foram fundamental o trabalho e paciência da bordadeira anónima, a peça fundamental deste processo mas a que menos usufrui.
A história regista dois produtos que ontem como hoje, são a imagem de marca do arquipélago. A Madeira identifica-se pelo vinho e bordado, que correram mundo. Foram, e continuam a ser, produtos de grande interesse económico que sempre deram aos estrangeiros a mais elevada maquia e ao madeirense uma magra esmola.
O bordado pode muito bem ser entendido como uma obra de arte. Mas acontece que aqui o artista é anónimo. O desenhador, que traça de forma primorosa os motivos florais e a composição é anónimo, bem como a bordadeira, que com mãos de fada, lhe dá forma e relevo.

Referência Bibliográfica: Leandro Jardim “O Bordado da Madeira na história e quotidiano do arquipélago” 1996

Site a visitar:http://www.bordadomadeira.pt/

quinta-feira, outubro 23, 2008

O traje de “Meia-Senhora”ou de “morgada” - Minho


O traje de “Meia-Senhora”ou traje de “morgada” significa que a lavradeira, mesmo com o casamento não atingiu ainda o titulo de “senhora” dentro do quadro das distâncias sociais.
É sinónimo de casa farta, boa lavoura, criadagem, tulha cheia, soalhos encerados e o cheiro a mosto nas adegas.
Compõe-se normalmente de saia de chita, com estampado de flores, guarnecida com bastas e folhos com aplicação de espeguilha ou saia de fazenda preta com uma basta a que se segue um galão salpicado a vidrilho da mesma cor.
Casaquinha preta com fitilhos e vidrilhos a guarnecê-la ou casaquinha com de “armur” com peito guarnecido a galão de cetim e vidrilhos, e rematada a renda branca nos punhos e gola. Lenço de seda natural estampado, chinela com meia bordada e o “guardasolinho” e a “casaca de confeitos” em crochet a pender-lhe das mãos e a substituir a algibeira.

terça-feira, outubro 14, 2008

O Aldeão da Murtosa de 1816 - Beira-Litoral

Em toda a região costeira o homem sempre trabalhou em camisa, camisola, ou às vezes em colete com as mangas da camisa arregaçadas. Quaisquer calças serviam, desde que fossem amplas. Reduzia-se ao mínimo o vestuário, o suficiente para cobrir a nudez.


O Aldeão da Murtosa não fugia a essa regra, vestindo-se da seguinte forma:

Manaias, também chamadas calças de quadrado, feitas de estopa (a parte mais grosseira do linho); Camisa ampla de linho; Casaca de burel, ao ombro ou vestida; Cinta de lã vermelha; Chapéu de copa muita alta, chamado Baromba. Este era um chapéu extravagante, que servia para proteger do sol, mas, principalmente, para mostrar opulência; Calçava soletas, uma espécie de sapato rudimentar.
Fonte: Museu Etnográfico de Ovar

sexta-feira, outubro 10, 2008

Pescadores da Murtosa – Beira litoral

O mar e a actividade piscatória influenciou de maneira indelével a vida da Murtosa.
À mulher do pescador cabia-lhe, na maior parte das vezes, a tarefa de fazer a venda do peixe e, descalça pelos caminhos, de chinelas nas povoações e saia ensacada para facilitar os movimentos, esta mulher não corria, voava.

A figura desta Peixeira chegou até Cacia e Águeda, depois de atravessar a Ria de barco ou bateira. A pé, passou por Estarreja, Salreu, Canelas, Fermelã e Angeja.
A Peixeira de 1900 vestia da seguinte maneira:
Saia de chita ou de lã, ensacada; Blusa de chita; Cinta preta de lã, para ensacar a saia; Avental de popelina; Algibeira; Chapéu de varina; Xaile traçado; Chinelas de salto alto;

A pesca, uma das principais actividades desta região, era um trabalho muito duro e, por vezes, muito pouco produtivo.
O pescador dos finais do século XIX e princípio do século XX, até cerca de 1910, vestia com a maior simplicidade, pois tinha poucas posses. A dureza do trabalho exigia que a roupa facilitasse os movimentos, tanto na faina como quando calcorreava grandes distâncias a pé para vender o produto do seu trabalho.
Vestia da seguinte forma:
Camisa aos quadrados de flanela com abertura até ao peito; Ceroulas aos quadrados de flanela amarradas em baixo por fitas; Quando ia vender, usava cinta de linho com as pontas caídas e, no trabalho, uma cinta preta de lã toda enrolada na cinta; Barrete preto de lã; Tamancos; Saca onde guarda o dinheiro;
Usa cangalhas, onde transporta o peixe.
Hoje em dia estes trajes são utilizados apenas nas apresentações públicas de grupos etnográficos e folclóricos.

quarta-feira, outubro 01, 2008

Como trajavam as crianças

A maioria dos ranhos folclóricos nacionais apresenta, entre os seus elementos, crianças de tenra idade, colocando-se frequentemente a questão de como se devem trajar.
Existem muitos estudos sobre os trajes regionais, no entanto, poucos abordam o trajo infantil, pelo que decidi abordar o assunto.
Em primeiro lugar, devo recordar que a maioria da população portuguesa, até meados do sec.xx, vivia sobretudo da agricultura e da pesca. Era uma população com poucos recursos, para quem os filhos significavam riqueza, mais braços para trabalhar e para contribuirem para o rendimento familiar.
Às raparigas, desde cedo, eram atribuídas tarefas domésticas, cuidando da casa e dos irmãos mais novos, quando não teriam mais de 7 ou 8 anos. Poucas eram as que frequentavam a escola ou aprendiam a ler, o que era considerado dispensável, já que,a s raparigas deviam ser preparadas para o trabalho doméstico, seu destino era casar e ter filhos.


Os rapazes mereciam tratamento diverso. Não lhes eram exigidas grandes responsabilidades, embora pudessem ajudar os pais na lavoura ou na faina. Normalmente, frequentavam a escola e continuavam a trabalhar na actividade da família. Quando a família tinha alguns rendimentos eram entregues como aprendizes a algum mestre de ofício, a quem pagavam, para que ao rapaz fossem ensinados os segredos de uma determinada profissão.

Mas, como trajavam estas crianças?

Os fracos recursos promoviam a reciclagem das roupas e muitas vezes possuíam apenas uma muda de roupa, que era lavada à noite quando s
e deitavam, para que secasse e pudesse ser vestida na manhã seguinte.
A roupita melhor era guardada para dias especiais e de festa.
Muitos só conheciam sapatos quando entravam para a escola ou ainda mais tarde. Andavam muitas vezes descalços, com uns socos de madeira e carneira ou com umas alpercatas de tecido ou couro.
Frequentemente os trajos das crianças não eram mais que miniaturas dos trajos dos adultos.
Era habitual que as roupas dos pais e irmãos mais velhos passassem para as crianças, depois de devidamente adaptadas. Da camisa velha do pai era feita uma nova para o filho ou adaptava-se um vestido da filha mais velha para que a mais nova pudesse ter um vestido novo do dia da festa da aldeia.
Assim se vivia, com pouco, do qual se fazia muito.


É assim, natural encontrar-mos imagens de crianças vestidas tal como os adultos, quer nos trajos domingueiros, como nos do dia-a-dia, ou mesmo no luto, altura em que ficavam sujeitas as mesmas obrigações sociais que os adultos.

As imagens que ilustram este artigo são da primeira metade do sec-XX. As duas primeiras foram tiradas na Nazaré, por Bill Permutter e Jean Dieuzaide, a última é sobejamente conhecida, são os Pastorinhos de Fátima no seu trajo domingueiro da região de Leiria.

segunda-feira, setembro 29, 2008

Trajos populares de Pardilhó - Estarreja

O trajo que vemos corresponde ao «vendedor de aves de Pardilhó», hoje representado pelo grupo etnográfico Danças d’Aldeia, de Pardilhó, e pelos Camponeses da Beira Ria, do Bunheiro. O vendedor de aves deslocava-se a pé ao Porto e, certamente, a localidades mais próximas de nós, para vender a sua caça. Mas que aves seriam aquelas? Os autores dos trabalhos publicados até à primeira metade do século XX falam na pardilheira, à qual também chamavam de pardilho, que pela descrição feita dever-se-á tratar do marrequinho (Anas Creca), na nossa região também conhecido por marreca ou marrequinha. É a ideia que podemos adiantar pela informação que nos deu o nosso amigo Paulo Santos. Aquela ave abundava na nossa ria no antigamente, embora não possamos hoje dizer o mesmo, e talvez fosse caçada à noite com redes. Poderia tratar-se de igual modo de pardais e é possível que venha daí a alcunha de “pardaleiro” em Pardilhó.
O original da fig. 1 aqui publicada, legendado como «Marchand de volaille de Pardilho», foi encontrado pelo Padre António Ruela e Silva num alfarrabista de Paris, há mais ou menos trinta anos. A figura avulsa pertence hoje ao nosso amigo Eng. José Ruela e Silva, que gentilmente no-la emprestou, e faz parte de uma vasta colecção francesa, editada em quatro volumes de 1843-1844, todos recheados de figuras coloridas, correspondendo o primeiro volume ao continente europeu. Estes volumes, cujo autor foi Auguste Wahlen, foram baptizados de «Moeurs, usages et costumes de tous les peuples du monde, d’après des documents authentiques et les voyages les plus récents» (Bruxelas, «Librairie historique-artistique»). Existe uma tradução portuguesa por Francisco Ludovino de Sousa Freitas Sampaio, com o nome de «Costumes usos e trajos de todos os povos do mundo em face de documentos authenticos e das mais recentes viagens», Lisboa, Imp. Lusitana, 1872-1878.
Entre as muitas dezenas de gravuras desta colecção, todas elas fora do texto e coloridas, há apenas três de Portugal: o vendedor de aves de Pardilhó, Ovarina, e Mulheres de Miranda (do Douro). O Dr. Rocha Madahil faz referência a esta colecção e ao respectivo vendedor de aves no seu trabalho «Alguns aspectos do trajo popular da Beira Litoral», que publicou-se no «Arquivo do Distrito de Aveiro» a partir de 1938, nos volumes IV (pág. 145 e ss. e 213 e ss.), V (pág. 59 e ss. e 247 e ss.) e VII (pág. 115 e ss.), e em separata em 1941. O Museu de Ovar entendeu numa das suas múltiplas publicações, e bem, reeditar este trabalho do insigne investigador regionalista que é o Dr. Rocha Madahil, em 1992. É ele quem nos diz ainda que o vendedor de aves de Pardilhó «documenta a sua evolução última com as manaias dos marnotos das marinhas da Ria de Aveiro».

A vendedora de peixe de Pardilhó e Murtosa, obtemo-la na Biblioteca Nacional, e não fosse o surgir no interior da capa de «Murtosa Gente Nossa», de Lopes Pereira, pouco nítida e legendada meramente como «trajo antigo», sem qualquer referência à sua verdadeira origem, seria entre nós completamente desconhecida. A figura foi publicada em Paris, provavelmente em 1843, legendada como « Mde de poissons de Pardilhé et Murtoja», i.e Marchande de Poissons de Pardilhó et Murtosa, constituindo o número 81 da colecção do Musée Cosmopolite, que tem também a «femme d’Ovar» e o «Paysan de Murtosa», utilizados de igual modo por Macphail, de quem falaremos de seguida, na sua primeira colecção.

Dos dois vendedores João Macphail, que rapidamente terá tido conhecimento de existirem, fez uma reprodução mais ou menos aproximada. Deste tipógrafo lisboeta são célebres três colecções de litografias de trajos populares portugueses que, tendo merecido reparos vários na época em que se editaram, não deixam de ter o seu valor. Rocha Madahil dá-nos informações acerca de todas. A primeira colecção de estampas coloridas litografadas por Macphail data de 1841 e são dela conhecidas 18 figuras. Nova colecção sai logo em 1842, conhecendo-se desta 12 figuras. A terceira não tem data, embora Alberto Sousa lhe atribua 1843 (sem fundamento, segundo cremos), e constitui-se, que se saiba, de 17 figuras, sendo duas delas da Beira Litoral, o vendedor de aves – que estende também à Murtosa – e a vendedora de peixe.
As duas figuras que nos interessam da 3.ª série de Macphail (fig. 3) aparecem no trabalho de Alberto Sousa «O trajo popular em Portugal nos séculos XVI e XIX», de 1924, com as seguintes legendas:
«VAREIRO – Pardilhó e Murtosa – 1843
Barrete preto com orla vermelha, cabelo em compridas guedelhas, camisa aberta no peito, cinta vermelha, cuecas e colete azul com grandes botões de metal. Vende Caça.»
«VAREIRA – Pardilhó e Murtosa – 1843
Chapéu de abas largas, lenço branco pousando sobre a romeirinha preta, corpete vermelho com grandes botões prateados, saia azul apertada na cintura.»


Daquilo que de trajos populares respeitantes ao concelho Estarreja há notícia até ao final do século XIX não conhecemos mais nada. Por isso estas são as figuras de costumes mais antigas publicadas respeitantes ao concelho de Estarreja. Estando nós numa região de costumes tão diversificados, onde a Murtosa, vizinha e culturalmente próxima, surge tão frequentemente com trajos diversos em trabalhos como aqueles a que aludimos, o ter encontrado duas figuras de Pardilhó deu-nos alguma satisfação, só minimizada pela frustração de não haver mais nenhuma das outras seis freguesias do concelho. Se foram estes os trajos que aqui mais chamaram a atenção das colecções do século XIX, então talvez possamos dizer que estas duas figuras correspondem àquilo que de mais típico existe no concelho de Estarreja.


Fonte: Marco Pereira, 2002 In http://pardilho.planetaclix.pt/index.htm

quinta-feira, setembro 18, 2008

O BARQUEIRO DO MONDEGO


O Rio Mondego, até princípios do século XX, era a única via de comunicação importante da região, dando emprego a muita gente das suas proximidades como Barqueiros, Calafetes, Carreiros, Estanqueiros, etc.
O Barqueiro do Mondego, tinha como função conduzir a Barca serrana, no transporte de lenha, carqueja e carvão para Coimbra ou Figueira da Foz. No sentido inverso, era possível receber mercadorias por mar e embarca-las rio acima. Assim, para além de peixe (seco ou salgado), sal, louça de Coimbra, vinho, etc. Paralelamente com o transporte de mercadorias, também transportavam lentes e estudantes da Universidade de Coimbra, que iam passar férias às suas terras Natais.
A Barca serrana deslocava-se com a ajuda de remos, da vela, da corrente do rio e por vezes das varas (quando havia menos água), espetando-as no fundo do rio e andando pelo bordo, apoiando a vara contra o lado do peito, virados para a ré. Tinham que colocar um pano grosso, para protegerem o peito, mas mesmo assim fazia “mossa”.
O traje do Barqueiro do Mondego era composto por ceroulas até aos joelhos, uma camisola de lã, um colete, um garroço para o frio e os pés descalços ou com alpercatas de pano.
Para dormir, as barcas possuíam na proa ou na ré, umas cavidades “Leito”, onde os barqueiros dormiam, sendo o colchão de esteiras de palha, colocados por cima do estrado, e tendo como cobertores, a vela ou sacos, e dormiam com os pés para o bico.
Muitos eram os portos importantes ao longo do Rio Mondego, para carregarem e descarregarem mercadoria. Dos quais destacamos o Porto da Raiva, como sendo o mais importante, e considerado um dos maiores do país, até meados do séc. XIX. Porto este que diz a tradição, que a povoação da Raiva, era então situada na Foz do Rio Alva.
Aqui chegados, as mercadorias eram descarregadas, e depositadas em locais apropriados, e depois eram levadas em carros de bois “Os Carreiros”, e distribuídas pelos concelhos de Penacova, Arganil, Tábua, Mortagua e Oliveira do Hospital.
Nos portos de Coimbra, os barqueiros quando procediam ao carregamento ou descarregamento das barcas, tinham de calçar as alpercatas de pano, se fossem apanhados descalços pelos guarda rios, eram multados, se porventura andassem com um pé calçado e outro descalço, pagavam metade da multa.

Fonte: Rancho Típico de Miro "Os Barqueiros do Mondego" do Grupo de Solidariedade Social, Desportivo, Cultural e Recreativo de Miro

domingo, setembro 14, 2008

A Saia no Traje à "vianesa" - Minho


Das mãos e arte das tecedeiras nascem duas das peças mais vistosas do traje à «vianesa»: a saia e o avental. É na Serra d’Arga que se concentram e onde se distingue a tradição das saias tecidas em lã, das quais, três merecem hoje destaque:

A saia conhecida por regional - tecido vermelho com estreitas listras pretas e brancas. É a saia tradicional do traje de Viana, usada em todo o distrito e com variantes em azul, verde ou preto ou branco (como acontece na Meadela);

A saia designada de moscas - tecido com uma cor de fundo - azul, verde, vermelho, branco ou preto (luto) e barrras de puxados (moscas), formando desenhos noutras cores (onde todas as combinações são possíveis e ficam ao gosto da tecedeira). A técnica dos puxados (moscas) consiste em puxar o fio da trama (tear), com um gancho ou mesmo com o dedo, em determinados sítios antes de tramar com o pente (também se usa esta técnica nas conhecidas mantas de trapos). É a saia mais usada pelas raparigas de Dem e a mais exuberante.

A saia de cordões - só usada pelas raparigas da Serra d’Arga é, também, uma saia feita com tecido de várias cores (regional), com listras pretas e brancas mas onde se entremeiam cordões de fio de lã grossa. Para que qualquer destas saias ficasse mais comprida acrescentam-lhe o «forro» (30 cm) de fazenda (geralmente de cor preta), onde se bordam as silvas. Ter-se-iam iniciado na Meadela pela Senhora “Sãozinha da Branca» no início do século e ocupavam só a parte superior do forro. Hoje variam, quase de aldeia para aldeia, e devem-se à imaginação da bordadeira. Na Montaria acrescentam-se às silvas, fores, folhas de várias cores a que se juntam lantejoilas e que chegam a ocupar todo o forro.

terça-feira, setembro 02, 2008

Os Aventais Minhotos - Minho

O Avental é parte integrante do trajo Minhoto e apresentam uma riqueza de motivos, cores e formas que merece uma referência especial.

O mais antigo é o chamado avental aos «cadros», feito com puxados formando «quadrinhos» - pequenos quadrados e outros desenhos de carácter geométrico.

O mais moderno é o chamado avental de rosas: trata-se de um avental de puxados com um rectângulo central, contornado por uma barra onde estão dispostas simetricamente seis rosas, completadas ou não com folhinhas e fores ou mesmo barras verticais com alguns desenhos geométricos.

Os modelos mais ricos provêm de Perre e Outeiro, assim como de Cardielos, Serreleis, Santa Marta e Meadela.

Os aventais de Afife são muito diferente dos anteriores.

Possuem fundo vermelho constituído por dois «andares» de padrão diferentes, mas ambos de riscas pretas. A separar os dois «andares» (o superior é maior), encontramos uma fieira horizontal de puxados «topes» na cor vermelha formando uma espécie de franja, feito com lã que se vai me tendo e puxando ao longo da tecelagem.

quinta-feira, agosto 07, 2008

Renascer das Cinzas

Após 12 anos de inactividade o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cano, Sousel, renasceu das cinzas, tendo já efectuado duas apresentações na sua terra, uma delas incluída no XXVIIIº Festival Internacional de Folclore de Sousel, no passado dia 2 de Agosto.
Não sendo canense de nascença, sou-o por afinidade e sentimento, confesso que foi com lágrimas nos olhos, tal como centenas de pessoas presentes, que presenciei a actuação daqueles homens e mulheres, que com coragem e determinação fizeram ressurgir das cinzas o Rancho de Cano. E se a idade se notava em alguns cabelos brancos, nas pernas e na vitalidade das danças pareciam ainda uns meninos.
Cantaram-se e dançaram-se as "saias", as “mazurcas” e o "jogo do pau" e o público cantarolava em uníssono cada número, tal era a memória e a saudade.
Apesar dos seus 75 anos, João Leão, há muito ensaiador e impulsionador deste grupo, mantém uma voz ainda jovial acompanhando o acordeão do amigo Calado.
Eis uma flor dos prados alentejanos que viu chegar a Primavera em época estival, desabrochando linda e viçosa. Agora, só precisa que a tratem com carinho, que a reguem, para que as suas raízes se fortaleçam e que ela possa crescer.
Bem hajam! Cuidem bem dessa flor.