sábado, outubro 27, 2007

Trajo Domingueiro – Malpica do Tejo – Beira Baixo

Este é um traje de festa feminino da 1ª metade do século XX, onde se destaca a camisa com “folhadura e renda larga da moda velha” feita pelas mãos das mulheres.
A camisa é de linho de corte tradicional, isto é, com cabeção e fralda. Decote guarnecido com folhos de renda, caído sobre os ombros. Peitilho abotoado no centro, dec
orado com pregas e bainhas abertas e bainhas abertas. As mangas são largas e pregueadas na parte superior e bordadas junto aos punhos.
O colete de lã vermelho possui um grande decote quadrado e cavas profundas, sendo ajustado na frente com cordão e decorado com gregas de várias cores.

A saia de cima é de castorina vermelha, sem cós, mas com fita na cintura, ornamentada na orla com motivos florais recortados, cercadas de tecido preto, em forma de barra. Avental de sarja preta, com algibeira, decorado na orla com gregas de várias cores.
Na cabeça, lenço de algodão estampado com várias cores atado atrás e laço cor-de-rosa ao pescoço. Calça meias de algodão branco rendadas e sapatos pretos.
Ornamenta-se com argolas de ouro nas orelhas e cordões de ouro ao peito.

Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados: Beira-Baixa

quarta-feira, outubro 24, 2007

Trajo Feminino – Miranda do Douro – Trás-os-Montes


Aparentemente sóbrio, este trajo esconde peças de intenso colorido no colete, na faixa e no saiote amarelo, vermelho, azul ou verde, com largos bordados e fitas aplicadas na orla. As raparigas gostavam de exibir o saiote como saia, tal como a algibeira presa na cintura, embora o usassem sobretudo no Inverno, só o mostravam quando levantavam a saia de fora, durante os trabalhos do campo. A mantilha, usada no tempo frio, nunca deixou de acompanhar as mulheres de respeito nas suas saídas à rua.
A mulher transmontana usa uma camisa de linho, de cós guarnecido de caneluras e mangas compridas com punho. Casaquinha de saragoça preta, justa ao corpo. Nas costas, sobre a linha da cintura, o rabicho. Colete de seda lavrada em tons policromados, aberto na frente, ajustado com cordão e ilhós. Entre o colete e a camisa, baixa de lã, aconchegando o busto. Saia de fora de saragoça preta, farta de roda, franzida na cintura, excepto na frente para evitar avolumar a barriga. Junto à orla, duas barras de veludo aplicadas. Na cabeça, lenço e mantilha de saragoça preta, descendo até meio da perna. Calça meias brancas rendadas e sapatos de bezerro apertados com ilhós e lingueta.
Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados:
Trás-os-Montes

segunda-feira, outubro 22, 2007

Trajo “Arraiano” – Idanha-a-Nova – Beira Baixa

Este trajo é proveniente de uma região fronteiriça, entre Portugal e Espanha, com grandes tradições de contacto, sobretudo comercial. Sendo famosas as histórias do contrabando entre ambos países.
Era usado tanto pelas mulheres solteiras como pelas casadas em determinadas datas festivas.
Fazia também parte deste trajo uma casaca muito cintada, com peitilho de veludo pregueado de cor diferente. As mangas eram justas, com o punho enfeitado com folhos e rendas. Sobre a casaca, usava-se o xaile de caxemira.
Os xailes de caxemira, bordados manualmente a seda, formando motivos florais, e orla guarnecida de franjas de lã, que vinham antigamente de Espanha, foram mais tarde substituídos pelos estampados de Alcobaça.
A mulher usava blusa de algodão branco, abotoada na frente e decorada com rendas ou bordados. Saia de lã, com tons alegres e vivos, pregueada, excepto na frente (saia de barriga lisa) decorada com barras pretas. Sobre a saia, avental preto, decorado com bordados e galões.
Cruzado sobre o peito, um lenço florido com cores vivas, com as pontas caídas sobre as costas. Na cabeça, lenço de lã estampado, cruzado na nuca e atado na testa.
Calça meias rendadas brancas e sapatos ou chinelas.
Adornam as orelhas com argolas de ouro e ao pescoço usam a “coleira” que é a primeira peça de ouro, oferecida pelos pais.
Na imagem todas as mulheres usam um adufe. Trata-se de um instrumento de precursão de forma quadrangular, de armação em madeira e revestido a couro, que acompanha os cantares das mulheres beirãs.
O pequeno filme que se segue é exemplificativo da forma como se toca o adufe, acompanhado, neste caso, uma das canções mais emblemáticas da Beira Baixa, “Senhora do Almurtão”.

video

Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004
Artigos relacionados:
Beira-Baixa

domingo, outubro 14, 2007

Documentário sobre a Nazaré

Numa curta visita ao YouTube encontrei este documentário sobre o Rancho Folclórico Tá-Mar da Nazaré.
Observem bem os trajes, como eram e como são apresentados actualmente.

video

quinta-feira, outubro 11, 2007

Trajo feminino de festa da “Ribeira” – Braga – Minho

O trajo da “Ribeira” ou “à Lavradeira”, são as designações dadas ao trajar das mulheres da região sul de Braga.

A vontade de embelezar o seu trajo e de o personalizar, levam as mulheres a utilizarem diversos artifícios para decorarem as peças do seu vestuário.
Aplicam peles ou penas negras dos galos que introduzem no próprio tecido, que enfeitam e enriquecem com vidrilhos e bordados.
A alva camisa de linho possui um folho bordado a ponto cruz que guarnecer o decote. A manga é justa a meio do braço, sem punho, terminando com um entremeio de renda e bordado.
A saia, de baetilha preta, é muito ampla, franzida na cintura e guarnecida, em baixo, com barra de veludo, fita de cetim, veludo aplicado e bordado de vidrilhos. O colete branco, apertado na frente, é decorado com bordados com fio vermelho. Avental de veludo preto é bordado com vidrilhos e guarnecido com pele. Presa à cintura, uma algibeira em forma de coração estilizado e lenço de pedidos decorado com motivos da simbologia amorosa, legenda e renda manual. Cruzado sobre o peito usa um lenço estampado e franjado. Na cabeça, um lenço atado no alto. Calça meias de malha de algodão branco rendadas e chinelas pretas pespontadas.
Brincos à rainha emoldura o rosto e ao pescoço, fio de contas com borboleta e cordão com coração.
Referência Bibliográfica: O Trajo Regional em Portugal, Tomaz Ribas, Difel, 2004Artigos relacionados: Minho

segunda-feira, outubro 08, 2007

Trajos de Festa – Castelo de Vide – Alentejo


Existem nestes trajes diversos pormenores que nos indicam uma posição social mais elevada dos seus utilizadores. Ainda assim, trata-se de um traje de festa, apenas utilizado em algumas ocasiões, pois mesmo com melhores condições de vida, no Alentejo, o dinheiro não abundava, pelo que não havia lugar a grandes excentricidades.
Esses “sinais exteriores de riqueza” identificam-se no homem pela qualidade dos tecidos, do corte, pormenores decorativos e acessórios. A que se associa a capa, peça imponente e de luxo. Mas existem ainda outros pormenores menos evidentes; o lencinho bordado pela namorada e exibido no bolso pequeno da jaqueta, a cinta preta de merino e a bota preta engraxada.
No vestuário feminino, a qualidade e quantidade de tecido empregues na confecção deste traje são sinónimo de festa e de luxo. A saia é muito rodada, mas o sinal de riqueza era dado pelo número de barras que guarneciam a orla, que revela as posses da rapariga. Também o xaile pousado no braço e dobrado em forma de manta era considerado como a forma mais elegante de o exibir. A saquinha que acompanha o traje e o ouro exibido (embora em quantidade mais modesta que em outras regiões), revelavam a riqueza da rapariga.
O trajo masculino é assim constituído por jaqueta de tecido de lã (casimira) castanha, com gola, bandas e frentes contornadas com fita de seda vermelha. Aplicação de alamares nas frentes e de galão nas mangas, sugerindo um canhão em forma de bico e com botões aplicados de obliquamente. Colete no mesmo tecido, também contornado com fita idêntica à da jaqueta. Calças do mesmo tecido castanho, ajustadas na cintura com cinta preta de merino. A camisa branca é de linho, com colarinho e peitilho decorado com nervuras. Na cabeça, chapéu de feltro preto de meia copa. Calça botas pretas.
Completa o conjunto, uma capa de “briche” castanha, com cabeção duplo e debruado, ajustada na colareta com fecho de prata. Frentes forradas com pelúcia cor de mostarda.
A mulher, veste blusa de tecido de algodão vermelho, lavrado, com quartilhos com cós, peitilho e carcela abotoada na frente, contornados com bordados estreitos. A linha da cintura é marcada e possui uma aba sobre as ancas. Manga comprida, ajustada ao punho com refegos.
Saia de tecido de lã cor-de-rosa, pregueada na cintura e decorada em baixo com aplicações de renda e galões.
Na cabeça, lenço de lã estampado, com as pontas caídas sobre o peito.
Pousado no braço, xaile de merino preto com franja e na mão saquinha de tecido recortado, formando uma rede. Calça meias brancas rendadas e sapatos pretos.
Referência Bibliográfica: Tomaz Ribas in O Trajo Regional em Portugal, Difel, 2004
Artigos relacionados:
Alentejo

terça-feira, outubro 02, 2007

Trajos da Festa do Divino Espírito Santo – Ilha de São Jorge – Açores

As celebrações em honra do Divino Espírito Santo foram amplamente difundidas por intervenção da Rainha Santa Isabel que lançou as bases do que seria a Congregação do Espírito Santo, movimento de solidariedade cristã que em muitos lugares do reino absorveu as primitivas festas pagãs. O ponto alto das festividades que juntava ricos e pobres sem qualquer distinção ocorria no Domingo de Pentecostes, existindo relatos que referem uma refeição, “bôdo”, dados aos pobres no dia de Espírito Santo.
O espírito de solidariedade e o propósito de partilha fraterna, características desta refeição, dada a todos os necessitados, foram, sem dúvida, contributos fundamentais para a expansão e o enraizamento deste culto popular. No continente, a celebração do Espírito Santo mais conhecida é a Festa dos Tabuleiros em Tomar, mas esta devoção se espalhou pelas Ilhas da Madeira e dos Açores.
No arquipélago dos Açores, o culto do Espírito Santo revestiu-se de formas muito próprias, como erguer os impérios (pequenos edifícios, onde se realiza parte da festa e onde se expõem as insígnias próprias ao Espírito Santo).
No terreiro em frente a cada império tem lugar o “bôdo”, a grande refeição comum, intensamente participada não só pelos residentes locais, como pelos emigrantes que regressam anualmente para celebrar as festividades.
O trajo que de seguida se descreve é usado nos arraiais do Domingo do Divino Espírito Santo e no Domingo da Santíssima Trindade, em todos os impérios da Ilha de São Jorge.
O homem usa o seu trajo domingueiro, sobre este, coloca aos ombros uma toalha de algodão branca com rendas a toda a volta.
A toalha é dobrada de forma especial e sobre ela são colocados ramos de flores de papel, sendo a verdura geralmente natural.
Antigamente o fato era de boa baeta, hoje é de fabrico industrial normal. A camisa deve ser de pano alinhado branco. O colarinho é baixo e as mangas são franzidas nos punhos e fecham com um botão.
Este trajo é usado pelo «cavaleiro» e pelos «passeadores», que vão ao lado da bandeira. Existe também o «trinchante», o homem que está no império ajudando a fazer as ofertas do doce que é depois distribuído por todo o povo. Este serviço é denominado «Serviço da Coroa» e varia de freguesia para freguesia.
Existem lugares em que se colocam flores nas costas do casaco e laços de fita vermelha na toalha.
De realçar a primorosa renda utilizada nas toalhas, executada manualmente por mão hábeis e devotas.

Também às mulheres é atribuido um papel importante nas Festas do Divino Espírito Santo nos Açores. A rapariga que usa este trajo tem como função o transporte das oferendas, mais concretamente, dos bolos de «Véspera».
É composto por uma saia de quatro panos, avermelhada, confeccionado em tecido denominado “fiampua”. A saia possui um cós e uma abertura lateral.
É guarnecida, um pouco acima da baixa, com motivos a ponto de “repasso”. A blusa é de algodão estampado, com peitilho de decote redondo com cós alto, sobreposto pelas frentes e adornado por golas. As mangas são franzidas sobre os ombros e estreitas em baixo, alargando na parte superior. Na cabeça colocam uma toalha rectangular de linho, decorada com renda alta, caindo pendente sobre o tronco. Sobre esta é colocada uma carapuça de baeta azul, orlada a vermelho, com duas rosetas de seda sobre as orelhas.
Calça meias de lã branca e sapatos de sola de correola (espadana) com cortes de baeta bordada a pé-de-flor.
Transporta um pequeno cesto de vime, forrado com uma pequena toalha, onde são colocados os bolos de «Véspera», cozidos pela festa do Espírito Santo, ornamentados com flores naturais.
Referência Bibliográfica: Tomaz Ribas in O Trajo Regional em Portugal, Difel, 2004
Artigos relacionados:
Açores